Justiça do Trabalho reconhece legitimidade do Unificado em Três Lagoas

Decisão aponta ainda que tentativa da Petrobrás de impor mudança unilateral na tabela de turno é “ofensa ao que recomenda o Estado Democrático de Direito”

Advogado do Sindipetro considera a decisão uma grande vitória dos trabalhadores (Foto: Divulgação)

Por Guilherme Weimann

Na última quarta-feira (14), o Tribunal Regional do Trabalho da Vigésima Quarta Região votou como improcedente a ação da Petrobrás que questionava a atuação do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) junto aos trabalhadores da Usina Termelétrica Luís Carlos Prestes, localizada no municípios de Três Lagoas (MS).

O relator do caso, desembargador Marcio Vasques Thibau de Almeida, cita no acórdão que “diante da ausência de uma entidade que confira proteção à categoria, não se pode exigir que a formalidade se sobreponha à necessidade representativa”.

Na sentença, o magistrado ainda argumenta que o reconhecimento dessa representação tem como objetivo “a defesa de direitos de toda uma categoria, com a tomada de decisões uniformes, com eficiência e prestígio para todos os envolvidos”.

Leia também: Em meio ao coronavírus, Petrobrás aplica punições ilegais a trabalhadores grevistas

O veredito ainda ressalta a hipocrisia da estatal, que já havia reconhecido a legitimidade do Unificado na base territorial de Três Lagoas em diversas situações anteriores. Por exemplo, nos informes sobre a eleição da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) e na liberação de dirigentes sindicais entre 2018 e 2020.

O advogado do Unificado, João Antônio, considera a decisão uma façanha da categoria perante ao atual modus operandi da empresa. “Foi uma grande vitória, que demonstrou que o judiciário ainda é confiável para a gente lutar contra esta tentativa de desmonte da direção da Petrobrás”, opina. 

Tabela de turno

Além de julgar a legitimidade do Unificado, o tribunal também classificou como ilegal a tentativa da Petrobrás de impor uma mudança na tabela de turno da unidade de forma unilateral, ou seja, sem diálogo ou consulta à representação sindical.

O texto afirma que “a vida funcional, familiar e social dos trabalhadores está organizada, desde há muito, de acordo com as tabelas de turnos de trabalho vigentes” e que “os dias de trabalho e as folgas decorrentes dos turnos já foi assimilada e está acomodada no seu aspecto físico, quanto ao relógio biológico dos trabalhadores, e psíquico”.

Leia também: “Corte de salários da Petrobrás é ilegal e inconstitucional”, afirma advogado

Dessa forma, aponta o relator, a mudança das tabelas de turnos de trabalho depende de negociação coletiva e “a iminente alteração unilateral pelo empregador implicará em prejuízos aos trabalhadores”.

Por fim, o desembargador aponta que a tentativa de autotutela pela direção da petroleira é uma “ofensa ao que recomenda o Estado Democrático de Direito, ao abrigo Constitucional”.

O desrespeito à decisão que obriga a Petrobrás de se abster de alterar a tabela de turnos ininterruptos de revezamento até a solução do impasse por meio de negociação coletiva direta ou por meio de mediação gerará uma multa diária no valor de R$ 5 mil por trabalhador prejudicado.

Posts relacionados

Passivo trabalhista da Petrobrás aumenta e ultrapassa a marca de R$ 1,5 milhão

Luiz Carvalho

Eleições para Cipa na Recap terminam no dia 25

Luiz Carvalho

Lava Jato: estratégia geopolítica e desmonte do Estado

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade