Gás de cozinha subiu 21,9% nas refinarias da Petrobrás em 2020

Reajustes contrastam com as quedas nos preços do barril do tipo Brent e WTI no acumulado do ano, que foram de 11% e 6%, respectivamente

Para o consumidor final, houve um aumento de 7,7% no preço do botijão ao longo do ano (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

Por Guilherme Weimann

A partir de 2016, a Petrobrás modificou a política de definição dos valores dos combustíveis praticados em suas refinarias. Desde então, instaurou-se o preço de paridade de importação (PPI), que acompanha a volatilidade do petróleo cru no mercado internacional, taxa de câmbio e custos operacionais.

Em 2020, entretanto, houve uma variação inversa entre os preços do gás de cozinha vendidos nas refinarias da estatal e o barril de petróleo. No acumulado do ano, houve um aumento de 21,9% do botijão de 13 quilos do gás liquefeito de petróleo, passando de R$ 27,79 em janeiro para R$ 33,89 em dezembro, nas unidades de refino da petroleira.

Leia também: Projeto de lei propõe gratuidade do gás de cozinha

Por outro lado, o barril de petróleo do tipo Brent, comercializado na Bolsa de Londres, caiu de US$ 58,16 em janeiro para US$ 51,80 em dezembro, uma variação negativa de 11%. Já o barril do tipo WTI, comercializado na Bolsa de Nova York, diminuiu de US$ 51,56 em janeiro para US$ 48,52 em dezembro, o que representa uma retração de 6%.

O único fator que explica os reajustes constantes do insumo ao longo do ano passado, dentro da lógica do PPI, é a taxa de câmbio. De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o dólar saltou de R$ 4,05 no início de janeiro para R$ 5,16 no final de dezembro, o que equivale a um crescimento de 27%.

Para o consumidor final, o preço médio variou 7,7%, passando de R$ 69,74 no início de janeiro para R$ 75,09 no final de dezembro. O valor está acima da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou o ano de 2020 a 4,52%.

Consumo

Mesmo com a alta nos preços, a última Síntese Mensal de Comercialização de Combustíveis, da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), mostra que o volume de gás de cozinha comercializado entre janeiro e novembro de 2020 é o maior já registrado na série histórica, iniciada em 2010. Foram 9,1 milhões de metros cúbicos comercializados, um aumento de 5,3% em comparação ao mesmo período de 2019.

Contudo, de acordo com o Boletim de Monitoramento da covid-19, do Ministério de Minas e Energia (MME), a comercialização do gás de cozinha diminuiu 20% no final do ano e a do GLP acima dos 13 quilos, destinado à indústria e comercio, despencou 32,5%.

Reajustes

Logo na primeira semana de 2021, a Petrobrás já anunciou uma nova elevação no preço do gás de cozinha. Desde o dia 6 de janeiro, a estatal passou a vender o botijão de 13 quilos pelo valor de R$ 35,98 para os distribuidores, o que representa um aumento de 6%.

Com isso, o preço médio do botijão para o consumidor final subiu de R$ 75,09, registrado no final do ano passado, para R$ 76,50, verificado na semana entre os dias 10 e 16 de janeiro.

Posts relacionados

Petrobrás: a falsa encruzilhada entre autoritarismo e democracia miserável de mercado

Guilherme Weimann

Sindipetro-SP cobra reunião emergencial com a Transpetro

Guilherme Weimann

Troca na Petrobrás não vai alterar a base da política de preços, avalia economista

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade