Exclusivo: Petrobrás registra 1605 novos casos de covid-19 nos últimos dois meses

O número é maior do que a soma dos quatro primeiros meses da pandemia no Brasil, entre fevereiro e junho, quando 1547 petroleiros foram contaminados; no total, 8,7% dos trabalhadores próprios da empresa já contraíram a doença

A P-69, localizado no litoral paulista, foi uma das que viveram surtos de coronavírus no final do ano passado (Foto: Léo Souza/Banco de Imagens da Petrobrás)

Por Guilherme Weimann

A partir do início de novembro, começaram a surgir denúncias localizadas, por meio dos sindicatos regionais, de um aumento acelerado de contaminações por covid-19 em unidades da Petrobrás, principalmente em plataformas de exploração e produção de petróleo. Nelas, tem vigorado durante a pandemia uma jornada de sete dias de isolamento, 21 dias de embarcação em alto mar e 14 dias de descanso.

Um levantamento exclusivo, realizado pela reportagem do Sindipetro-SP a partir dos boletins de monitoramento da covid-19 disponibilizados semanalmente pelo Ministério de Minas e Energia, mostra que a percepção dos sindicatos da categoria fazia sentido. Atualmente, a maior estatal do país vive um surto de covid-19. Apenas entre os dias 3 de novembro de 2020 e 4 de janeiro de 2021, foram registrados 1605 novos casos de infecção.

O número é maior do que a soma dos quatro primeiros meses da pandemia no Brasil. Entre 26 de fevereiro – data da confirmação do primeiro caso da doença no país – e 29 de junho, foram confirmados 1547 trabalhadores da estatal contaminados.

No total, até o dia 4 de janeiro deste ano, já foram infectadas 4030 pessoas, o que representa 8,7% do quadro de 46.416 empregados próprios da companhia. Atualmente, a porcentagem no país é de 3,7% de contaminados em relação ao número total de habitantes, que é estimado em 212 milhões.

Essa alta concentração de casos já havia sido apontada em parecer científico elaborado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em outubro. O documento apontou na ocasião que o “diagnóstico da covid-19 em petroleiros é presumidamente relacionado ao trabalho” e que casos de coronavírus na estatal equivalia a 4.448 por cada 100 mil pessoas, incidência maior que o dobro da verificada na população brasileira, que era de cerca de 2 mil casos por cada 100 mil habitantes.

Omissão

Uma das principais cobranças da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que reúne 13 sindicatos da categoria, é a divulgação do número total de contaminados, incluindo terceirizados. A Petrobrás, entretanto, apenas disponibilizou essas informações no 3º Boletim de Monitoramento, datado de 4 de maio, quando 1037 petroleiros já tinham sido contaminados e outros 1642 estavam sob suspeita, de um total de 151.539 empregados, entre próprios e terceirizados.

Além disso, alguns boletins apresentam erros. Entre o 11º (29 de junho) e 12º (6 de julho) boletins, por exemplo, houve uma diminuição de 21 contaminados. O mesmo ocorreu entre o 17º (10 de agosto) e o 18º (17 de agosto) boletins, com uma queda de 66 casos. Situação semelhante também foi apontada entre o 29º (3 de novembro) e 30º (9 de novembro) boletins, com diminuição de 140 pessoas contaminadas.

Além disso, o 28º boletim apresenta um erro de digitação, o que impede a verificação da evolução do número de casos de coronavírus entre 19 e 26 de outubro.

Posts relacionados

Sindipetro-SP decide entrar com ação coletiva contra descontos indevidos da AMS

Guilherme Weimann

Fechada por Bolsonaro, Fafen-PR produziria 30 mil metros cúbicos de oxigênio por hora

Luiz Carvalho

Gás de cozinha subiu 21,9% nas refinarias da Petrobrás em 2020

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade