Entenda o cálculo utilizado pela Petrobrás para definir os preços dos combustíveis

Vigente desde 2016, o preço de paridade de importação (PPI) define os valores praticados nas refinarias e impacta diretamente a vida dos consumidores

O PPI foi responsável por aumentos nas refinarias de 73,3% no preço da gasolina, 54,8% no diesel e 192% no gás de cozinha. Foto: Eric Gonçalves

Por Petróleo dos Brasileiros

Na busca de conter o descontentamento social causado pelos sucessivos aumentos dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou no final de fevereiro a troca no comando da Petrobrás – sai o economista liberal Roberto Castello Branco, entra o general da reserva Joaquim Silva e Luna –, que ainda depende da aprovação do Conselho de Administração.

Neste contexto, vieram à tona questionamentos sobre a atual política de preços praticados pela estatal, que somente neste ano já foi responsável por seis reajustes nas refinarias, que totalizaram elevações de 54% na gasolina, 41,5% no diesel e 17,1% no gás de cozinha.

Leia também: Gasolina a preço justo: petroleiros se solidarizam com motoristas de app em São Paulo

A causa desse encarecimento remete à outubro de 2016, quando a Petrobrás, sob o comando de Pedro Parente, que havia sido indicado pelo ex-presidente Michel Temer (MDB), implementou em outubro de 2016 o preço de paridade de importação (PPI). Este é um modelo de cálculo que define os preços dos combustíveis vendidos nas refinarias.

O PPI considera quatro elementos centrais na definição dos preços: a variação internacional do barril do petróleo; as cotações do dólar; os custos de transporte; e uma margem imposta pela companhia, que funciona como uma espécie de ‘seguro’ para evitar prejuízos.

Aplicado ao mercado brasileiro e somado à crescente desvalorização do real e ao aumento no preço internacional do petróleo, quem está sendo prejudicado é o consumidor final dos derivados. Entre outubro de 2016 e março de 2021, o PPI foi responsável por aumentos nas refinarias de 73,3% no preço da gasolina, 54,8% no diesel e 192% no gás de cozinha. 

Descontentamento crescente

Justamente por conta desses aumentos frequentes dos preços dos derivados de petróleo, o PPI acabou culminando, em 2018, na histórica greve dos caminhoneiros que paralisou o Brasil por dez dias.

Devido aos prejuízos ocasionados pela mobilização, estimado em R$ 126 bilhões para a Petrobrás, a gestão da estatal decidiu manter o PPI, mas suspendendo os reajustes diários e optando por mudanças de menor frequência nos reajustes dos preços.

Contudo, o problema ainda se mantém e, no primeiro dia de fevereiro deste ano, os caminhoneiros voltaram a realizar uma paralisação, após mais de dois anos e meio. Além disso, a inflação fechou 2020 com o maior índice desde 2016. Os alimentos, por exemplo, subiram 14%, afetando diretamente o prato dos brasileiros.

Leia mais: Governo Bolsonaro planeja dependência futura do petróleo, diz professor Giorgio Romano

Este cenário, somado à precariedade das condições de trabalho, também foi responsável por duas paralisações nacionais de entregadores de aplicativos em julho do ano passado, conhecidas como ‘breques dos apps’.

Atualmente, diversos motoristas e entregadores de aplicativos estão se articulando para realizarem uma paralisação nacional na próxima quarta-feira (17), com a pauta da melhoria da remuneração e do fim dos descontos oferecidos aos clientes em momentos de menor demanda.

 

 

 

 

Posts relacionados

Petroleiros reforçam mobilizações pelo país

Guilherme Weimann

Política de reajustes da Petrobrás contribui para descontrole da inflação, diz FUP

Andreza de Oliveira

Com PPI, preços continuarão a subir e país pode ter desabastecimento

Luiz Carvalho