Em Campinas, familiares de petroleiros se reúnem em solidariedade à greve

Centenas de pessoas compareceram à sede do Sindipetro-SP, neste sábado (15), para reafirmarem o compromisso das famílias com a paralisação da categoria

Crianças, aposentados e uma diversidade de familiares comparecem à atividade de solidariedade à greve dos petroleiros (Foto: Guilherme Weimann)

Por Guilherme Weimann

Não existe ninguém que goste de fazer greve, mas ela é a última estratégia que os trabalhadores utilizam para lutar pelos seus direitos. Quando uma paralisação é deflagrada, uma série de medidas do Estado para criminalizar os trabalhadores também é acionada: congelamento dos salários, ameaças, demissões e até prisões. Entretanto, estes são os principais momentos nos quais se estreitam os laços de solidariedade e união.

Foi justamente essa demonstração que os familiares dos petroleiros em greve há quinze dias deram nesse sábado (15). A partir da auto-organização, cerca de 200 pessoas compareceram à sede do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo, em Campinas (SP), para reafirmarem o compromisso com a mobilização da categoria. Uma feijoada foi compartilhada entre os presentes.

A petroleira Lucimeire Araújo de Sousa, 51 anos, foi uma das que compareceu junto com toda a família. Desde 2004 na Petrobrás, a operadora de vapor acredita que é essencial momentos como esse para renovar as energias. “Greve é um momento difícil na vida da gente, mas é um mal necessário. Nós precisamos de momentos assim, porque se ficarmos vivendo só a pressão de ‘vamos perder salário, emprego?’, ninguém aguenta. Precisamos de momentos assim para dar uma força, uma carga na gente”, afirma Sousa.

A petroleira Lucimeire com seu esposo e dois filhos (Foto: Guilherme Weimann)

Na sua opinião, esta é a maior greve desde que ingressou na companhia e não há dúvidas que será a mais difícil. Entretanto, enxerga a mobilização como imprescindível para tentar barrar os retrocessos. “Atualmente, a gente tá lutando contra a demissão de mil trabalhadores da Fafen [Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná], mas a situação é generalizada. Essas demissões estão acontecendo no país todo. Eles querem entregar nossas riquezas e vender nosso país. Por isso, nós precisamos lutar”, opina Sousa.

Esposo da petroleira, Márcio de Lima também participou da confraternização e alertou para a importância da sociedade se unir a essa luta. “Primeiro que a gente não está de fora, a gente está dentro também. Aqui é um espaço também de reivindicação e de diálogo, para as famílias conversarem sobre esse momento, para que se unam mais ainda”, relata Lima.

Opinião semelhante demonstrou Marcos Margarido, 66 anos, técnico de inspeção aposentado há seis anos. Durante a histórica greve de 1995, o petroleiro foi demitido pela direção da empresa e readmitido apenas alguns anos depois.

Solidariedade dos familiares é fundamental nos momentos de pressão como a greve (Foto Guilherme Weimann)

Com isso, precisou da solidariedade dos companheiros para pagar as contas e continuar na luta. “O que eu mais consigo traçar um paralelo com a atividade de hoje é o Fundo da Greve. Quando eu e outros quatro companheiros fomos demitidos na greve de 95, o que ajudou a nos manter foi este fundo. Essa solidariedade é muito importante”, recorda Margarido.

Diversas atividades com as famílias e com o restante da população da região estão previstas para esta terceira semana de greve nacional dos petroleiros.

 

Posts relacionados

Por falta de patrocínio, atleta paralímpico vira entregador de aplicativo em Paulínia

Andreza de Oliveira

Sindipetro-SP doa cestas básicas a trabalhadores que estão há 60 dias sem receber

Andreza de Oliveira

Na Replan, petroleiros decidem cortar apoio operacional e retomar mobilizações

Guilherme Weimann