Editorial: Já estamos vacinados

A nossa história nos ensinou que não podemos sair das trincheiras de luta

editorial
Não podemos confundir o lado da mesa que estamos (Foto: Kamá Ribeiro)

Há de se reconhecer o aceno do novo presidente da Petrobrás, que no seu primeiro dia de trabalho à frente da companhia fez questão de se reunir com os representantes dos trabalhadores. Além de ser um gesto simbólico e incomum, ele é uma conquista dos petroleiros. 

Petroleiros que comeram o pão que o diabo amassou, e o comeram na beira da rodovia, sem acesso a banheiro, com assédio da polícia e conivência do corpo gerencial e da segurança patrimonial, levando multas absurdas, sendo esculachados em reuniões pró-forma com gerentes que poderiam ser trocados por cones.

O fato é que devemos, sim, comemorar essa vitória de hoje, mas já voltar às trincheiras amanhã – a nossa história nos ensinou esse aprendizado. A categoria petroleira não hesitou em fazer greve nos leilões do pré-sal durante o governo Dilma, por exemplo, pois a nossa pauta sempre foi e será o monopólio estatal – com controle popular – das nossas riquezas naturais.

Sabemos a importância daqueles que vão para a gestão da empresa. Esperamos que defendam nossos interesses, e assim como no exemplo acima, sabemos das contradições inerentes ao processo. Por isso, esse editorial deixa bem claro que ninguém deve confundir o seu papel: dirigente sindical não tem direito de vacilar em defesa da categoria, independentemente de quem estiver do outro lado da mesa.

Vamos à luta!

Posts relacionados

Julgamento do STF invalida demissão sem justa causa em empresas públicas

Maguila Espinosa

Conselheiro da Petros visita a Replan e dialoga com aposentados em Campinas

Guilherme Weimann

Greve contra desmonte do Sistema Petrobrás completa 4 anos

Guilherme Weimann