É lutar ou lutar para salvar Bacia de Campos

Enquanto STF discute fatiamento da Petrobrás, ativos importantes já estão no balcão de negócios

Por Sindipetro-NF

Nesta quinta-feira (1º), o Supremo Tribunal Federal deve julgar o pedido de liminar do Congresso Nacional para impedir o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) de criar subsidiárias da Petrobrás para vender ativos como refinarias sem autorização do Poder Legislativo.

Algumas unidades, porém, já estão à venda, como é o caso da Bacia de Campos, na costa norte do estado do Rio de Janeiro. No último dia 25, a companhia anunciou a disponibilidade dos campos de  Albacora e Albacora Leste, localizados em águas profundas dessa região.

A empresa quer vender a totalidade de sua participação nesses campos altamente produtivos, que incluem as plataformas de P-25, P-31 e P-50.

Com a venda,  cerca de 1500 trabalhadores diretos e indiretos serão impactados, com transferência de base ou perda de empregos.

O coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF), Tezeu Bezerra, denunciou nas redes sociais os impactos dessa venda para o país. “Acabaram de anunciar a venda de ativos super lucrativos, assim como as refinarias e a BR Distribuidora, que sempre deu lucro ao Estado Brasileiro. Vão vender campos gigantes que tem pré-sal na Bacia de Campos e já chegaram a representar o sonho de uma Petrobrás para o futuro de todos os brasileiros”, criticou.

Os campos

O campo de Albacora, que a Petrobras tem a totalidade da operação, produziu em agosto deste ano uma média de 38,7 mil barris de petróleo e 716 mil metros cúbicos de gás por dia. Ele foi descoberto em 1984 e foi o primeiro campo gigante em águas profundas do país.

Já em Albacora Leste, a Petrobras é operadora com 90% de participação, enquanto a Repsol Sinopec Brasil detêm os 10% restantes. O campo produziu, em agosto deste ano, uma média de 33,3 mil barris de óleo por dia e 707 mil metros cúbicos diários.

Quando foi anunciada a entrada em operação da plataforma de P-50, sua produção de 1,8 milhão de barris diários representava a autossuficiência em termos de petróleo para o Brasil.

Os empregos

Em julho de 2017 havia cerca de 300 trabalhadores próprios da Petrobrás na plataforma P-50, além de cerca de 1,2 mil trabalhadores terceirizados. E nas plataformas P-25 e P-31havia cerca de 500 trabalhadores próprios da Petrobrás, além de cerca de 2 mil trabalhadores terceirizados. Todo esse pessoal será impactado com as vendas dessas unidades.

“Questiono o que será da vida desses trabalhadores e de suas famílias se essa venda for efetivada. Chegamos em um momento em que não temos mais saída e precisamos lutar em defesa dos nossos empregos e de nosso futuro. É lutar ou lutar para salvar a Bacia de Campos, a gente tem de enfrentar esse pessoal que fatia a Petrobrás e destrói o estado brasileiro”, alertou Tezeu Bezerra.

Posts relacionados

Justiça considera ilegal corte de salário da Petrobrás durante pandemia

Luiz Carvalho

Petrobrás aprova pagamento de dividendos aos acionistas mesmo sem apresentar lucro

Guilherme Weimann

Privatizações das refinarias, regulação e Estado: a tragédia brasileira

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade