Diversas entidades realizam ato virtual contra privatizações e em defesa da soberania

Também ocorrerão mobilizações presenciais em todo o Brasil neste sábado (3), dia em que a Petrobrás completa 67 anos

Neste sábado (3), data em que a Petrobrás completa 67 anos de existência, será realizado às 15h o ato político e cultural “Pela soberania nacional, em defesa do povo brasileiro”, nas redes sociais. O evento tem como objetivo apresentar um contraponto à agenda econômica de privatizações do governo federal e fortalecer uma articulação nacional em defesa das empresas públicas e estatais em todo o Brasil.

De acordo com Fabiola Latino, representante da Plataforma Operária e Camponesa da Água e da Energia, a atividade é fundamental para sensibilizar e despertar o povo brasileiro para a importância dos serviços públicos e das empresas estatais que fazem integração regional e diminuem desigualdades sociais em seus locais de atuação. “Empresas lucrativas que o governo quer vender para beneficiar poucos empresários, e é a população que sofre as consequências dessa política entreguista”.

Em nota, as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo conclamam a população brasileira para uma série de iniciativas no sentido de fortalecer as ações deste dia de lutas.

“Após o golpe de 2016, o projeto de destruição da soberania, o saqueio das riquezas, a entrega de empresas públicas estratégicas, a desindustrialização e desemprego em massa, a destruição da Amazônia, a privatização da educação e saúde, os tarifaços nos alimentos e demais serviços públicos (luz, água, gás de cozinha e combustíveis) tem sido a tônica do governo de Jair Bolsonaro”, apontam as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Leia também: Oito motivos para ser contra a privatização da Petrobrás

Trecho do manifesto assinado por dezenas de organizações, sindicatos e movimentos sociais que integram o Comitê de Luta Contra as Privatizações destaca: “Não podemos permitir que as empresas de prospecção, exploração e refino de petróleo, bancos públicos seculares, correios com honrosa tradição de serviços, portos e serviços portuários, empresas de eletricidade, de saneamento, transporte público, serviços públicos de todas as esferas tenham de viver a ameaça de extinção ou de privatização total ou parcial. Essas empresas atuam em setores estratégicos para a soberania nacional”.

Haverá atos presenciais em todo o Brasil, com todos os protocolos recomendados pela Organização Mundial da Saúde. No Rio de Janeiro, acontecerá, às 10h, um abraço no edifício sede da Petrobrás, localizado na avenida Chile, 65, Centro.

O ato é organizado pelas seguintes entidades: Comitê de Luta Contra as Privatizações, Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo, Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) e Plataforma Operária e Camponesa da Água e da Energia.

Já estão confirmadas várias personalidades, entre elas o teólogo Leonardo Boff, os ex-presidentes do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, o ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa, Celso Amorim, o presidente da CNBB, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, além de parlamentares, lideranças indígenas, sindicais e de movimentos populares.

Serviço:

Ato nacional “Pela soberania nacional, em defesa do povo brasileiro”, nas redes sociais

Quando: 3 de outubro, sábado. 

Horário:15h (horário de Brasília).

Onde: Youtube e Facebook da Rede TVT (@redetvt) e das demais organizações envolvidas.

Posts relacionados

“A questão não é se as nacionalizações ocorrerão, mas quando”, afirma Bercovici

Guilherme Weimann

Estrella: “Petrobrás virou fundo de investimento no cassino financeiro internacional”

Guilherme Weimann

Investimentos anuais da Petrobrás despencam ao mesmo patamar de 2004

Guilherme Weimann