Cultura: exposição mostra o Nordeste multifacetário

Dicas culturais

Leandro Lanfredi de Andrade , do Terminal São Caetano do Sul | Filme  “A Revolução em Paris”, mostra a vida de algumas pessoas misturada a uma ideia na Revolução Francesa: o direito dos oprimidos se rebelarem.

Jefferson de Paula, da Replan | Música  “Esses discos voadores me preocupam demais”, de Zé Ramalho. Sugiro que ouçam e reflitam sobre a mensagem contida na letra.

Bianca Borges Fauro, do Coque/Replan  | Livro  “Marcha de Radetzky”, de Joseph Roth, trabalha bem o período entre guerras na Áustria, mas traz elementos bem pertinentes.


Exposição

O Nordeste multifacetário

 

Texto e fotos: Norian Segatto

Quando se pensa em cultura nordestina é quase impossível não imaginar estereótipos como a música regional ou esculturas feitas em barro. Tem isso também na exposição À Nordeste – em cartaz no Sesc 24 de maio, no centro de São Paulo -, mas não só. Com curadoria de Bitu Cassundé, Clarissa Dini e Marcelo Campos, a exposição parte da provocação do artista cearense Yuri Firmeza: “A nordeste de quê?”, e busca apresentar uma reflexão sobre as singularidades regionais a partir de sua produção simbólica e material.

Reunindo um belo acervo de obras, que abarcam expressões como escultura, vídeo, pintura, fotos, instalações, a mostra pretende, nas palavras de seus curadores, “pensar as circunstâncias históricas, sociais e culturais da invenção de uma ideia de Nordeste”.

À Nordeste reúne um conjunto de 275 trabalhos, de diversas linguagens e suportes, do barro aos memes, criações singulares de 160 artistas, quase todos nordestinos, mas não exclusivamente.

Para se ter uma ideia da diversidade de artistas, integram a exposição nomes como Abraham Palatinik, Almandrade, Antônio Bandeira, Ayrson Heráclito, Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, Bispo do Rosário, Cristiano Lenhardt, Gilberto Freyre, Glauber Rocha, Jean-Pierre Chabloz, Jonathas de Andrade, Juliana Notari, Leonilson, Marepe, Mestre Vitalino, Romero Britto, Tadeu dos Bonecos entre outros.

Para facilitar a navegação do público em meio à exposição, que pelo volume de artistas e obras, os trabalhos foram divididos em oito núcleos que se ramificam e mesclam uns aos outros: Futuro, Insurgência, (De)colonialidade, Trabalho, Natureza, Cidade, Desejo e Linguagem.

 

 

 

Serviço

À Nordeste

Sesc 24 de maio / Rua 24 de maio, 109, República

Terça a sábado, das 9h às 21h, domingos e feriados, das 9h às 18h

Até 25 de agosto

 


Esporte

O grande clássico das Américas

O Brasil passou apertado pela modesta equipe do Paraguai, na Copa América, mostrou um time com pouca inspiração tática e dificuldade de definição ofensiva, apesar de o bom goleiro paraguaio, Gatito Fernandes, ter sido o melhor em campo. A equipe brasileira precisou da cobrança de pênaltis para definir a classificação.

Já a Argentina, apesar de apresentar um futebol muito longe do que já teve, vem evoluindo na competição, ganhou sem passar sustos da boa Venezuela, por 2×0 e encara nesta terça o Brasil no estádio do Mineirão.

Um duelo de duas forças mundiais, sem favorito prévio, mas com potencial explosivo para o perdedor. De um lado, Tite já não é, há tempos, unanimidade como técnico; do outro lado, o jovem Lionel Scaloni ainda tenta se afirmar após os últimos vexames da seleção Argentina.

 

 

 

 

 

 

Posts relacionados

Por falta de patrocínio, atleta paralímpico vira entregador de aplicativo em Paulínia

Andreza de Oliveira

Especial: Origem dos nomes dos principais ativos da Petrobrás

Andreza de Oliveira

16 dicas do que ler e assistir no fim de ano

Andreza de Oliveira