Covid-19: Petrobrás ultrapassa mil novos casos de trabalhadores contaminados

Petroleiros embarcados em plataformas do Rio de Janeiro enfrentam surto e representam quase 40% das contaminações recentes registradas pela empresa 

Na plataforma P-52, no Rio de Janeiro, trabalhadores embarcados deitam juntos no chão em meio à explosão de casos de covid-19 (Foto: Sindipetro NF)

Por Andreza de Oliveira

Na última semana, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) emitiu comunicado alertando para o aumento de casos de covid-19 entre os trabalhadores da Petrobrás, principalmente os embarcados em alto mar. No comunicado, a entidade informou que mais de 1,5 mil empregados efetivos da empresa estavam contaminados.

No Rio de Janeiro, o Sindicato do Norte Fluminense (Sindipetro NF) denunciou que trabalhadores positivados continuam embarcados e até têm dormido juntos no chão da área externa da plataforma P-52 – que passa por surto da doença.

Segundo o grupo de Estrutura Organizacional de Resposta (EOR) da Petrobrás, o estado do Rio de Janeiro corresponde por 60% dos contágios confirmados entre trabalhadores efetivos da companhia. O Sindipetro-NF calcula ainda que, fora os petroleiros próprios, cerca de três mil trabalhadores terceirizados possam estar contaminados com covid-19.

Leia também: Petroleiros denunciam explosão de casos de covid na Petrobrás

A FUP e o Sindipetro NF, cuja base já possui 548 trabalhadores contaminados, recorreram ao Ministério Público do Trabalho (MPT) para cobrar respostas da Petrobrás e números de contaminados que ainda estão embarcados nas plataformas.

Em nota, a estatal alega que segue com toda a política de segurança necessária para evitar a propagação da doença entre os trabalhadores e, após reunião com a direção da FUP, prometeu frota de helicópteros para agilizar o desembarque dos petroleiros contaminados.

Nos estados de São Paulo, Espírito Santo e Bahia, os números de casos recentes confirmados apresentados pela empresa foram de, respectivamente, 110, 88 e 70 trabalhadores próprios.

A FUP informou que segue cobrando a empresa para que as representações sindicais da entidade por todo o Brasil participem das reuniões de EORs regionais.

Posts relacionados

Ainda dá tempo de privatizar a Petrobrás no governo Bolsonaro?

Andreza de Oliveira

Trabalhadores encerram greve na Replan com conquistas para a categoria

Guilherme Weimann

No 1º trimestre, acionistas privados da Petrobrás lucram 19 estádios do Corinthians

Sindipetro-SP