• Home
  • Unificado
  • Considerações sobre o descompromisso com a integridade dos trabalhadores

Considerações sobre o descompromisso com a integridade dos trabalhadores

A última troca de contrato do transporte dos trabalhadores de turno da Replan demonstra que o programa “Compromisso com a Vida”, é mero teatro. Em entrevistas à imprensa, em 2016, Hugo Repsold, diretor de RH, SMS e Serviços, declarava que o momento vivido pela companhia não poderia desviar a atenção do bem-estar e da garantia à vida das pessoas. Afirmava, ainda, que o código de ética da empresa coloca como primeiro item o “respeito à vida em todas as suas formas, manifestações e situações”.
A decisão tomada pelo SOP da Replan na troca do transporte, entretanto, atesta situação totalmente contrária. O que se vê na Refinaria é a precarização das condições de bem-estar, com os trabalhadores sendo obrigados a viajar amontoados em bancos estreitos e apertados, em vans que oferecem mais riscos de segurança do que os antigos micro-ônibus.
Nas entrevistas, o diretor de Recursos Humanos também ressaltou a importância de o “trabalhador estar inteiro, íntegro e atento a todos os grandes valores e princípios do seu trabalho”. A questão é: Como pode um trabalhador, que já chega na empresa cansado e desgastado devido às condições do transporte e da viagem, seguir essa diretriz?
Nem mesmo as tão faladas “Regras de Ouro” foram atendidas nessa troca de contrato. Por exemplo, a regra “Atenção às Mudanças”, que orienta que o trabalhador fique atento aos riscos das mudanças e somente as realize após análise e autorização, foi totalmente descumpridas na troca de contrato de transporte e não foram observados todos os riscos e prejuízos com as pessoas envolvidas.
O problema todo foi ocasionado em função de uma economia contratual de R$ 600 mil ao ano, um valor considerado pequeno para uma refinaria do porte da Replan.
Como não ouve qualquer outra alegação, senão a economia no contrato, levantamos aqui algumas análises que poderiam ter sido feitas pela gerência a fim de se permitir gastar esse recurso com um transporte digno para os trabalhadores.

Carros da supervisão
O contrato de transporte dos trabalhadores de turno, de R$ 3,6 milhões, atende praticamente 400 trabalhadores. Já, o contrato de locação de carros para o uso de 35 supervisores custa, aproximadamente, R$ 1 milhão por ano. Ou seja, a empresa gasta quase um terço do valor total contratado para transportar menos de 10% dos trabalhadores.

Impressões
Outro ponto a se abordar é o imenso desperdício de recursos no quesito impressões. A Replan tem aumentado cada vez mais a quantidade de impressões em uma política contrária à sustentabilidade. Além disso, a refinaria poderia garantir uma boa economia nesse item, sem precisar mexer com o transporte dos trabalhadores.
Considerando um custo médio de impressão de R$ 0,15 por página, uma economia média de 12 mil páginas por dia cobriria os custos do contrato do transporte de turno. Em uma estimativa grosseira, somente o setor da TEU/TE imprime 2 mil páginas por dia.

Vapor
A Replan tem uma produção mensal aproximada de 450 mil toneladas de vapor. Considerando uma perda por vazamentos de 10%, por simples falta de manutenção, e sendo o custo médio de produção do vapor de R$ 40 por tonelada, chegamos a um desperdício de 1,8 milhão de toneladas por mês, o equivalente a três vezes o valor que foi economizado no contrato de transporte para um ano.

Notícias Relacionadas

Frente Petroleira LGBT completa um ano de resistência

Guilherme Weimann

Unificado lança edição especial do Jornal Petroleiros

Guilherme Weimann

SindiPapo: Sexo, sexualidade e exploração do trabalho

Andreza de Oliveira