Conselho Deliberativo da FUP indica rejeição da 1ª contraproposta do acordo de PLR

Sindicatos da FUP indicaram rejeição da primeira contraproposta; assembleias vão até 12 de janeiro

reuniao fup petrobras PLR
Diretores da FUP reconhecem avanços, mas destacam pontos importantes a discutir para progredir nas negociações. (Foto: FUP)

[Da Comunicação da FUP]

O Conselho Deliberativo da FUP se reuniu nesta quarta-feira (20) para analisar a primeira contraproposta do acordo de PLR.  O indicativo dos sindicatos é de rejeição da proposta, principalmente por entender que não garante isonomia entre os trabalhadores do Sistema Petrobrás, apresenta uma relação piso e teto muito acima do historicamente praticado e pelo fato de não ter existido uma negociação efetiva sobre os indicadores.

“Não podemos olhar apenas os valores propostos, olhamos a PLR sob o prisma da distribuição da riqueza gerada por nós, trabalhadores e trabalhadoras. Devemos rejeitar essa proposta e retomar à mesa de negociação ainda em janeiro”, destaca Cibele Vieira,  coordenadora geral do Sindipetro Unificado e diretora da FUP.

O Conselho Deliberativo também se posicionou em relação ao Programa SETRAE, onde a Transpetro assumiria parte da operação da transferência e estocagem nas refinarias. A FUP reafirma sua pauta histórica de voltar a estar todos dentro de uma única empresa, ou seja, que haja a incorporação de todas as subsidiárias.

Na visão da Federação, enquanto isso não acontece, a holding tem o papel de fortalecer o Sistema Petrobrás, estabelecendo relações contratuais justas, garantindo que as novas obras do PAC possam reforçar o caixa das empresas do sistema e até mesmo recuperar atividades que hoje estão sendo executadas por empresas privadas.

O movimento sindical considera que independentemente da empresa que cada um está, somos todos Petroleiros e Petroleiras e nesse sentido deveria haver uma maior facilidade de movimentação dentro do sistema, através da cessão de empregados entre a holding e suas subsidiárias.

Por fim, a FUP vê com preocupação repassar atividades já exercidas por trabalhadores do sistema de uma empresa para outra sem que seja consensual. Caso seja estruturalmente necessário para o fortalecimento do sistema, jamais deve ser realizado à revelia dos trabalhadores que já executam e conhecem a atividade, o que implica necessariamente o envolvimento do movimento sindical e o diálogo.

As assembleias para deliberação da categoria em relação à proposta de PLR apresentada pela empresa vão até o dia 12 de janeiro, acompanhe o calendário do seu sindicato.

Posts relacionados

Julgamento do STF invalida demissão sem justa causa em empresas públicas

Maguila Espinosa

Carta de um petroleiro punido

Maguila Espinosa

Greve contra desmonte do Sistema Petrobrás completa 4 anos

Guilherme Weimann