Congresso pede que STF amplie parecer contra fatiamento da Petrobrás a todas estatais

O ministro Luiz Fux suspendeu julgamento com três votos contrários à privatização de refinarias sem o aval legislativo; Congresso solicita que decisão seja estendida a todas empresas públicas

Fachin, Lewandowski e Mello já haviam votado a favor de liminar para barrar manobra em curso na Petrobrás (Foto: Denny Césare/Código 19)

Por Guilherme Weimann

O Congresso Nacional apresentou na noite da última segunda-feira (21) um aditamento ao Supremo Tribunal Federal (STF) com o pedido de estender a decisão contra o desmembramento da Petrobrás a todas estatais, para evitar a criação de subsidiárias com a única finalidade de vendê-las posteriormente sem o crivo legislativo.

Horas antes, o presidente do STF, ministro Luiz Fux, havia suspendido o julgamento virtual que contava com três votos contrários – Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello – à manobra da Petrobrás de criar artificialmente pessoas jurídicas independentes para suas refinarias, com o objetivo de driblar o Congresso Nacional no processo de privatização. Os ministros haviam votado a favor da liminar para barrar esse processo.

Uma decisão da Corte do ano passado permitiu a venda de subsidiárias sem a necessária aprovação dos parlamentares, apenas com um processo de concorrência gerido pelas próprias empresas. Entretanto, reafirmou que a desestatização de holdings (empresas matrizes) poderia ser realizada somente com a votação de ampla maioria no Senado e Câmara Federal.

Leia também: Com manobra jurídica, direção da Petrobrás fatia empresa para acelerar venda

Para concretizar o plano de focar apenas na exploração e produção de petróleo com atividades concentradas no Sudeste, a Petrobrás passou a criar subsidiárias para suas nove refinarias – de um total de 13 – que foram colocadas à venda, com o propósito de não ter que obter aprovação dos deputados e senadores.

Com isso, as mesas da Câmara e do Senado acataram reclamação da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Petrobrás e da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e entraram com a Reclamação 42576, para impedir esse procedimento em curso na petroleira.

A estatal já iniciou o processo de alienação da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), primeira refinaria brasileira que completou 70 anos na semana passada, e da Refinaria do Paraná (Repar), que já recebeu duas propostas de compra.

Agora, com a suspensão do julgamento virtual realizada por Fux, cabe ao próprio ministro retomar a pauta no plenário do STF, que terá novas discussões com votação zerada. Não existe previsão de data.

Leia também: “Privatização de refinarias nos fará reféns de empresas estrangeiras”, diz economista

No “Encontro com a categoria”, realizado na noite da última terça-feira (22), o diretor da FUP e do Sindipetro Paraná, Mário Dal Zot, aponta que essa ação no STF faz parte de um processo mais amplo que visa mostrar à sociedade brasileira a importância da Petrobrás se manter pública.

“Petróleo é soberania e o que a gente busca é mostrar isso para a sociedade brasileira. Essa ação que está no STF diz muito sobre isso. Para levar essa mensagem para a sociedade, a gente precisa ir para o Congresso Nacional, para o Senado Federal e para o STF fazer esse debate”, afirma Dal Zot.

Os sindicatos filiados à FUP têm lançado regionalmente a campanha “Petrobrás Fica”, que visa reunir o maior número de organizações e pessoas na defesa da maior estatal brasileira.

Posts relacionados

Passivo trabalhista da Petrobrás aumenta e ultrapassa a marca de R$ 1,5 milhão

Luiz Carvalho

Eleições para Cipa na Recap terminam no dia 25

Luiz Carvalho

Lava Jato: estratégia geopolítica e desmonte do Estado

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade