Confira a evolução das propostas

Por Norian Segatto

Foram diversas reuniões com representantes da empresa durante a campanha. Na terceira contraproposta apresentada pela companhia, diversas cláusulas não atendiam às exigências da categoria (algumas haviam sido suprimidas do ACT e outras tiveram redação alterada para retirar direitos).

Os petroleiros rejeitaram a proposta, a Petrobrás acionou o Tribunal Superior do Trabalho (TST), que fez uma proposta de conciliação – que também deixava em aberto pontos considerados fundamentais. A FUP e os sindicatos continuaram a buscar a negociação sem abrir mão da mobilização: nacionalmente, foi aprovada a greve da categoria. Diante disso, o TST fez nova proposta, aceitando na íntegra ou parcialmente, as principais cláusulas que a categoria considera fundamental para aceitar o acordo.

Confira abaixo (ou clique aqui) o quadro explicativo elaborado pela FUP com a evolução das propostas de algumas cláusulas importantes do nosso ACT, pontos que levaram a categoria a rejeitar o acordo e que agora, após novas intervenções da Federação, o TST acatou (em alguns itens parcialmente).

Notícias Relacionadas

Assembleias na próxima semana discutirão contraproposta da Petrobrás

Luiz Carvalho

Avanços na proposta da Petrobrás mostram que greve não foi em vão

Luiz Carvalho

ACT: confira a minuta do acordo

Andreza de Oliveira