Com reajustes de 9,7% e 11,5%, Rlam volta a ter gasolina e diesel mais caros do Brasil

Mais uma prova de que o governo Bolsonaro engana o povo, quando diz que a privatização das refinarias aumenta a competitividade e faz o preço dos combustíveis cair. A Petrobrás vendeu a Rlam e o povo baiano só se lasca

Refinaria privatizada aumenta preços de gasolina e diesel em 9,7% e 11,5%
Bahia: o Estado tem o combustível mais caro do Brasil

Texto por Revista Forum, com informações da Comunicação da FUP

A refinaria de Mataripe (antiga Refinaria Landulpho Alves – Rlam), em São Francisco do Conde, na Bahia, hoje privatizada e sob controle da Acelen, empresa do fundo árabe Mubadala, subiu os preços da gasolina em 9,7%, e do diesel, que variou entra 11,3% e 11,5%, no último sábado (8). Os novos valores começaram a valer no Estado no mesmo dia e foram justificados pelos gestores como uma tentativa de acompanhar as últimas altas do preço internacional do petróleo.

“Temos mais uma demonstração incontestável do equívoco e da gravidade da política do governo Bolsonaro de privatização de refinarias da Petrobrás. A mentira de que a venda de ativos da maior empresa do país aumentaria a competitividade e, consequentemente, levaria a reduções de preços de derivados, é, mais uma vez, denunciada pela realidade”, afirma Deyvid Bacelar, coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Rlam na Bahia, Estado tem o combustível mais caro do Brasil
Refinaria Mataripe, em São Francisco do Conde, Bahia.
(Foto: Divulgação/Acelen)

De acordo com dados da Abicom (Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis), a gasolina vendida pela Petrobrás estaria cerca de 10% abaixo da média internacional, e o diesel, também abaixo, cerca de 13%.

“Ao vender a Rlam, a primeira refinaria do Brasil, a direção bolsonarista da Petrobrás estimulou a criação de monopólio privado regional, que só beneficia o proprietário da empresa. Junto com a Rlam e sua logística de dutos e terminais, o fundo árabe Mubadala comprou o mercado consumidor cativo do Nordeste, ficando livre para executar política mais conveniente para elevar lucros da empresa”, explica Deyvid.

Em outras palavras, após da venda da refinaria, a Acelen teria não apenas o monopólio do refino, como a capacidade de regular os mercados regionais. “Com o reajuste de preço, a Bahia tem o combustível mais caro do Brasil, repetindo a posição que conquistou três meses após a privatização da refinaria, no final de 2021”, explica o coordenador da FUP.

Leia também: Privatizada, Rlam não abastece navios e segue com política de preços própria

Para os petroleiros, por trás dos reajustes abusivos está a política de preço de paridade de importação (PPI), mantida por Bolsonaro, que segue a cotação internacional do petróleo, a variação cambial e custos de importação, mesmo o Brasil sendo autossuficiente em petróleo. “A política do PPI só contribui para lucros e ganhos recordes em dividendos a acionistas da Petrobrás – sobretudo acionistas privados estrangeiros – , e para deixar os brasileiros reféns da carestia. Ou seja, o país produz internamente, em reais, o petróleo que consome, mas, com o PPI, o brasileiro paga preços dolarizados ao adquirir os combustíveis”, concluiu Bacelar.

Posts relacionados

Metroviária questiona Plano Tarcísio: “Só o lucro é privatizado”

Vitor Peruch

Greve contra desmonte do Sistema Petrobrás completa 4 anos

Guilherme Weimann

Sindipetro Unificado repudia privatização da Sabesp e truculência do Governo Tarcísio

Maguila Espinosa