Com privatizações sociedade corre risco, afirma Auzélio em entrevista

O coordenador da Regional Mauá do Unificado, Auzélio Alves, foi entrevistado pela TVT para falar sobre as propostas de privatização de empresas estratégicas para o país, como a Embraer e Petrobrás.

Após o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Tofolli, derrubar a liminar que proibia a venda de ativos sem o aval do Congresso Nacional, a Petrobrás anunciou que pretende acelerar seu plano de desinvestimento, que poderá atingir 70% de mais de 250 concessões de campos maduros e águas rasas. Auzélio classificou tal decisão da empresa como “crime de lesa pátria”, pelo alto poder desorganizador da economia, que tal medida poderá causar. “Consideramos [essa decisão] um erro muito grande do governo, ao longo de mais de uma década de exploração do pré-sal o Brasil possui a terceira maior reserva de petróleo do planeta e isso está sendo entregue, o que para nós é um crime de lesa pátria”.

Segundo o dirigente, caso os projetos de privatização de refinarias e outros ativos vinguem, nossa riqueza e o conhecimento acumulado pela Petrobrás irão ser apropriados por empresas e governos estrangeiros, em detrimento do povo brasileiro. “Eles ficarão com os lucros e nós com os danos ambientais”, comentou.

Auzélio também chamou atenção para as tentativas de venda das fabricas de fertilizantes, as Fafens. Para ele, com a privatização, os preços dos insumos tenderão a aumentar, encarecendo o custo do alimento na mesa do brasileiro. “O setor do agronegócio sabe disso, tem que se preocupar e vir para a discussão, precisamos de todos os setores da sociedade envolvidos nesse debate”. “A Petrobrás é uma empresa de política de governo, por isso somos contra que se abra mão de setores estratégicos, como é o caso das Fafens e da Transpetro, essa é uma política equivocada, que vai afetar toda a população”.

Confira no vídeo a íntegra da entrevista.

 

Não vai sobrar nada

Estão em andamento na Petrobrás 32 projetos de privatização e desinvestimentos com base na “Nova Sistemática” de desinvestimento aprovada pelo TCU, que representam cerca de US$ 30 bilhões:

  • 4 privatizações de subsidiárias no Brasil (ANSA, TAG, Refinarias do Nordeste, Refinarias do Sul, associadas à venda dos respectivos terminais e dutos);
  • 1 privatização de unidade operacional (UFN III);
  • 1 venda de participação minoritária (BSBios);
  • 3 vendas de empresas no exterior (Refinaria de Pasadena, ativos no Paraguai e POGBV);
  • 25 privatizações de blocos e campos de petróleo (Polo Enchova, Polo Pampo, Pólo Pargo, Tartaruga Verde, Baúna, Espadarte, Maromba, Polo Merluza,  Azulão, Juruá, Pólo Sergipe Mar – Águas Rasas, Piranema e Piranema Sul, Polo Ceará Mar – Águas Rasas,  Pólo Rio Grande do Norte Mar – Águas Rasas, BM-SEAL-4, BM-SEAL-4A, BM-SEA-11, BM-SEAL-10 – Águas Profundas na Bacia Sergipe-Alagoas, Polo Fazenda Belém (Ceará) – Campos Terrestres, Polo Macau (Rio Grande do Norte) – Campos Terrestres, Pólo Sergipe Terra 1, Polo Sergipe Terra 2, Pólo Sergipe Terra 3,  Pólo Riacho da Forquilha,  Pólo Miranga e  Pólo Buracica.

As alienações de 90% da participação na Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG), de 100% da Araucária Nitrogenados SA (Ansa), 60% da subsidiária detentora das refinarias e ativos da Região Nordeste e 60% das refinarias e ativos da Região Sul.

 

Posts relacionados

Investimentos anuais da Petrobrás despencam ao mesmo patamar de 2004

Guilherme Weimann

Petrobrás fechou seis mil postos de trabalho em 2020

Guilherme Weimann

CUT lança campanha em defesa das estatais

Luiz Carvalho