Com Lula e Chico Buarque, 1º de Maio unirá trabalhadores contra Bolsonaro e por vacina

Mobilizações do Dia do Trabalhador defenderão também o emprego e o auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia

1º de Maio reunirá artistas e lideranças políticas pela democracia, emprego e por vacina para todos (Foto: Divulgação)

Por CUT – Vanilda Oliveira

Com Lula, Dilma Rousseff e Chico Buarque, o 1º de Maio Pela Vida, Democracia, Emprego, Vacina para todos e pelo Auxílio Emergencial de R$ 600 reunirá as centrais sindicais CUT, Força, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical, Pública e CGTB.

Pelo segundo ano consecutivo, por conta da pandemia do novo coronavírus, as atividades do Dia Internacional do Trabalhador acontecerão em formato de lives, que terão transmissão, a partir das 14h, pela Rede TVT – a TV do Trabalhador, redes sociais e Youtube das centrais, dos sindicatos e organizações dos movimentos sociais.

Para o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, as centrais demonstram com a unidade que a prioridade é a união para promover a luta no momento em que o Brasil já ultrapassa as 400 mil mortes por Covid-19 e registra apenas 31 milhões de pessoas vacinadas (menos de 15% da população).

“É muito importante que o movimento sindical brasileiro mostre para o Brasil e para o mundo que, principalmente diante da tragédia da pandemia e de um governo federal autoritário e genocida, nós superamos problemas e deixamos de lado as nossas diferenças para defender a vida, a democracia, empregos, vacina, auxílio emergencial de R$ 600″, afirma.

Segundo ele, o fim do governo Bolsonaro é outra pauta que unifica a atuação das centrais. “Não há tarefa mais importante à classe trabalhadora do que derrotar Bolsonaro, porque temos de fazer o Brasil retomar o caminho da democracia, do crescimento, do emprego de qualidade, dos direitos, das liberdades. Essa é uma pauta comum ao movimento sindical”.

Reflexão

A live do 1º de Maio Unitário das Centrais terá formato diferente do de 2020 (que já foi inédito à época) e duração menor. No ano passado, foram quase seis horas de ato virtual. Neste ano, a previsão é de três horas de duração.

Além dos presidentes das centrais, os ex-presidentes da República Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff (ambos do PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) participarão do ato.

Também estarão na live Guilherme Boulos (PSOL), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), Manuela D’Ávilla (PC do B), Alessandro Molon (PSB), o presidente da Contag, Aristides dos Santos, o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Campos, o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e da Frente Brasil Popular João Paulo Rodrigues, além de parlamentares e lideranças partidárias contrárias ao negacionismo e favoráveis à vacina e ao auxílio emergencial de R$ 600.

Dezenove entidades sindicais internacionais, como a Federação Sindical Mundial (FSM), a Central Sindical Internacional (CSI) e a Confederação Sindical das Américas (CSA), e nacionais, como a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), também enviaram mensagens.

As falas políticas serão intercaladas por apresentações e depoimentos de artistas sobre o tema deste ano e contará anda com o youtuber Spartacus ao professor e filósofo Silvio Almeida e a atleta Joanna Maranhão.

Arte na luta

Os presidentes das centrais discursarão na live a partir de um estúdio e todos os protocolos sanitários serão seguidos.

O programa será comandado pela cantora, compositora e apresentadora Ellen Oléria.

Também no estúdio, a atriz, cantora e multi-instrumentista paraibana Lucy Alves fará a apresentação artística que encerrará o ato do 1º de Maio Unitário das Centrais Sindicais.

As falas políticas serão intercaladas por apresentações e depoimentos de artistas e personalidades da educação e do esporte.

Estarão presentes Chico Buarque, Elza Soares, Chico César, Tereza Cristina, Delacruz, Johnny Hooker, Marcelo Jeneci, Odair José, Aíla, Renegado, Bia Ferreira, Doralyce; Osmar Prado, Gregório Duvivier, Spartakus, Lirinha, Tereza Seibilitz, Elen Oleria, Paulo Betti, o youtuber Spartacus, o professor e filósofo Silvio Almeida e a atleta Joanna Maranhão.

Notícias Relacionadas

Do econômico ao jurídico: qual será o peso da Lava Jato nas eleições?

Sindipetro-SP

Escritor Fernando Morais visita Regional São Paulo do Sindipetro Unificado-SP

Andreza de Oliveira

Saiba por que a “contrarreforma” trabalhista na Espanha tem a ver com o Brasil

Guilherme Weimann