Com Lula e Chico Buarque, 1º de Maio unirá trabalhadores contra Bolsonaro e por vacina

Mobilizações do Dia do Trabalhador defenderão também o emprego e o auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia

1º de Maio reunirá artistas e lideranças políticas pela democracia, emprego e por vacina para todos (Foto: Divulgação)

Por CUT – Vanilda Oliveira

Com Lula, Dilma Rousseff e Chico Buarque, o 1º de Maio Pela Vida, Democracia, Emprego, Vacina para todos e pelo Auxílio Emergencial de R$ 600 reunirá as centrais sindicais CUT, Força, UGT, CTB, NCST, CSB, Intersindical, Pública e CGTB.

Pelo segundo ano consecutivo, por conta da pandemia do novo coronavírus, as atividades do Dia Internacional do Trabalhador acontecerão em formato de lives, que terão transmissão, a partir das 14h, pela Rede TVT – a TV do Trabalhador, redes sociais e Youtube das centrais, dos sindicatos e organizações dos movimentos sociais.

Para o presidente nacional da CUT, Sérgio Nobre, as centrais demonstram com a unidade que a prioridade é a união para promover a luta no momento em que o Brasil já ultrapassa as 400 mil mortes por Covid-19 e registra apenas 31 milhões de pessoas vacinadas (menos de 15% da população).

“É muito importante que o movimento sindical brasileiro mostre para o Brasil e para o mundo que, principalmente diante da tragédia da pandemia e de um governo federal autoritário e genocida, nós superamos problemas e deixamos de lado as nossas diferenças para defender a vida, a democracia, empregos, vacina, auxílio emergencial de R$ 600″, afirma.

Segundo ele, o fim do governo Bolsonaro é outra pauta que unifica a atuação das centrais. “Não há tarefa mais importante à classe trabalhadora do que derrotar Bolsonaro, porque temos de fazer o Brasil retomar o caminho da democracia, do crescimento, do emprego de qualidade, dos direitos, das liberdades. Essa é uma pauta comum ao movimento sindical”.

Reflexão

A live do 1º de Maio Unitário das Centrais terá formato diferente do de 2020 (que já foi inédito à época) e duração menor. No ano passado, foram quase seis horas de ato virtual. Neste ano, a previsão é de três horas de duração.

Além dos presidentes das centrais, os ex-presidentes da República Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff (ambos do PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) participarão do ato.

Também estarão na live Guilherme Boulos (PSOL), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), Manuela D’Ávilla (PC do B), Alessandro Molon (PSB), o presidente da Contag, Aristides dos Santos, o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Campos, o dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e da Frente Brasil Popular João Paulo Rodrigues, além de parlamentares e lideranças partidárias contrárias ao negacionismo e favoráveis à vacina e ao auxílio emergencial de R$ 600.

Dezenove entidades sindicais internacionais, como a Federação Sindical Mundial (FSM), a Central Sindical Internacional (CSI) e a Confederação Sindical das Américas (CSA), e nacionais, como a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), também enviaram mensagens.

As falas políticas serão intercaladas por apresentações e depoimentos de artistas sobre o tema deste ano e contará anda com o youtuber Spartacus ao professor e filósofo Silvio Almeida e a atleta Joanna Maranhão.

Arte na luta

Os presidentes das centrais discursarão na live a partir de um estúdio e todos os protocolos sanitários serão seguidos.

O programa será comandado pela cantora, compositora e apresentadora Ellen Oléria.

Também no estúdio, a atriz, cantora e multi-instrumentista paraibana Lucy Alves fará a apresentação artística que encerrará o ato do 1º de Maio Unitário das Centrais Sindicais.

As falas políticas serão intercaladas por apresentações e depoimentos de artistas e personalidades da educação e do esporte.

Estarão presentes Chico Buarque, Elza Soares, Chico César, Tereza Cristina, Delacruz, Johnny Hooker, Marcelo Jeneci, Odair José, Aíla, Renegado, Bia Ferreira, Doralyce; Osmar Prado, Gregório Duvivier, Spartakus, Lirinha, Tereza Seibilitz, Elen Oleria, Paulo Betti, o youtuber Spartacus, o professor e filósofo Silvio Almeida e a atleta Joanna Maranhão.

Posts relacionados

Enquanto Bolsonaro for útil aos interesses do empresariado, não haverá ruptura

Luiz Carvalho

Quem estiver comprando “coisas da Petrobrás” está correndo risco, adverte Lula

Guilherme Weimann

Governo Bolsonaro planeja dependência futura do petróleo, diz professor Giorgio Romano

Luiz Carvalho