Bronca do peão: O sabor da precarização que nos dá azia

Pão que dá azia nos trabalhadores e trabalhadoras e comidas que já chegam estragada são reflexo de precarização acelerada

Charge: Bira Dantas

Por Bronca do Peão*

O ano de 2023 foi marcado por muita luta, mas com soluções tímidas. Sofrendo os reflexos dos anos em que o trabalhador foi tratado como um mal necessário, tivemos diversas ocorrências envolvendo o fornecimento de alimentação da Replan, deixando claro que o modelo ruim de contratação unido a uma fiscalização que não cumpre minimamente o seu papel, resulta em um show de horrores que despreza condições sanitárias adequadas

O pão sabor azia é um exemplo muito marcante da baixa qualidade que está sendo entregue. Não bastasse a ausência de opções, a única disponível é ruim ao ponto de diversos trabalhadores sentirem azia após consumirem o alimento fornecido pelo restaurante. O famoso pão sabor azia é fornecido diariamente sempre com uma quantidade de proteína insuficiente e, de tão ruim, acaba não sendo comido, gerando desperdício de comida.

Não bastasse a comida ser congelada, o que naturalmente já diminui a qualidade, volta e meia chega estragada, principalmente para o turno. No mês de agosto de 2023, vários companheiros passaram mal após consumir o alimento fornecido no almoço. As saladas e frutas seguem o mesmo caminho e refletem ainda mais o sabor da precarização do contrato, pois pela necessidade de atender o baixo custo do contrato (e maximizar o lucro da empresa), chegam frequentemente estragadas, com larvas de insetos e azedas.

A solução mora na promessa de melhoria através de um GT que ainda está no papel. O problema da alimentação não pode ser empurrado com a barriga, precisa começar imediatamente com intensificação da fiscalização. O papel do fiscal de contrato não pode ficar resumido ao monitoramento de planilhas, assim como não pode ser uma função que disputa com as diversas outras demandas que o designado já possui.

A alimentação da refinaria precisa ser levada a sério imediatamente, principalmente para o turno, onde a qualidade da comida servida foi protagonista de eventos ofensivos à saúde, levando diversos trabalhadores a consumir o alimento que leva de casa. É importante que a empresa responsável pela alimentação da refinaria tome medidas imediatas para melhorar a qualidade da comida e garantir que os trabalhadores recebam refeições saudáveis e seguras.

* O texto foi enviado por petroleiro da base que preferiu não se identificar.

As Broncas de 2023

Confira abaixo as principais Broncas do Peão de 2023

Três Lagoas: Incompetência pouca é bobagem

Bronca do peão: SMS da tortura psicológica

Bronca do Peão: refinaria não é fábrica de batatinhas

Bronca do peão: chega de trabalho precário na apropriação/sala de cálculo

Bronca do peão: é preciso valorizar as mulheres da Replan

Bronca do peão: é preciso romper o contrato com a ALS

Posts relacionados

Unigel no Mercado de Gás: entre promessas vazias e a dura realidade

Vitor Peruch

Metamorfose: O desafio imediato para construir a Petrobrás que queremos

Vitor Peruch

Reservas de gás estão se esgotando na Bolívia, o que fazer?

Vitor Peruch