Brigada petroleira: FUP e FNP completam uma semana de luta em Brasília (DF)

Petroleiros representantes das duas federações se uniram em defesa da permanência da Petrobrás

Brigada petroleira completa pouco mais de uma semana de ações de mobilização no Congresso (Foto: Reprodução FUP)

Por Andreza de Oliveira

Na primeira terça-feira de junho, representantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) se reuniram em Brasília (DF) após o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) ameaçar de criação de um projeto de lei (PL) para a privatização da Petrobrás. A união também buscou reforçar a Frente Parlamentar Mista em Defesa da estatal.

Mesmo sem a viabilidade do encaminhamento do PL, a brigada petroleira, como se intitula a união das duas federações, decidiu viajar até o Congresso Nacional para conversar com deputados e senadores sobre os prejuízos que a privatização da companhia podem trazer para o país.

Para o petroleiro e dirigente da FUP e do Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP), Alexandre Castilho, a ação da brigada tem sido preventiva. “Não existia ainda esse projeto de lei encaminhado, mas nos antecipamos para conversar com os parlamentares, dando subsídios e informações para se posicionarem contrários às iniciativas de possível privatização da Petrobras”, afirma.

Atividades da brigada petroleira

Na última semana, os dirigentes se reuniram com deputados da oposição para o debate de projetos como o PL 3677/21, de autoria do deputado federal, Reginaldo Lopes (PT/MG), sobre a transparência sobre composição dos preços praticados pela Petrobrás. Requerimentos de audiências públicas sobre a política de preços e venda da companhia também foram discutidos com os parlamentares.

O julgamento da greve da Petrobrás Biocombustíveis (PBio) e da ação das tabelas de turno, bem como o lançamento do livro “O futuro é público”, também fizeram parte da agenda da brigada no Congresso.

Leia mais: PBio: Mais uma subsidiária da Petrobras na mira da privatização

Os petroleiros ainda se uniram com os dirigentes da Federação Nacional dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Fentect) e com representantes dos trabalhadores da Eletrobrás na busca de uma luta conjunta contra a venda das estatais.

Nesta quarta-feira (15), a brigada participou de audiência na Comissão de Desenvolvimento Regional, Integração Nacional e Amazônia (Cindra) da Câmara dos Deputados sobre os malefícios da privatização da Refinaria Isaac Sabbá (Reman), localizada em Manaus.

Resultados da luta

Devido a mobilizacao conjunta da categoria petroleira no Congresso Nacional, foi possível alinhar a luta a outras frentes de trabalhadores. “Conseguimos participar junto a eles [trabalhadores do Correios e Eletrobrás] de atos contrários à privatização de estatais e ao mesmo tempo reforçamos o movimento de estatização a partir da eleição de um novo governo”, comenta Castilho.

Outro avanço observado pelo petroleiro foi o posicionamento efetivo de algumas bancadas do Congresso, como do PT, Psol e PSB. “Ampliamos a nossa conversa, seguindo para partidos do centro, para tentar aumentar o enfrentamento de qualquer projeto que possa colocar em risco a Petrobrás”.

Leia também: Petrobrás: oposição vê dificuldades para Lira emplacar PL de privatização 

Durante a semana de mobilizações, a brigada contou com apoio de parte dos deputados para um melhor combate de processos privatistas dentro da Câmara e do Senado. “A nossa atuavção fez com que a bancada do PT e de partidos alinhados se poscionassem contra o PL eleitoreiro de Bolsonaro que corta impostos dos combustíveis e não traz resultados para o povo brasileiro” completou Castilho.

Posts relacionados

Presidente da Petrobrás é alvo de ação de petroleiros, acionistas e frente parlamentar

Mari Miloch

Petrobrás paga R$ 24 bi aos acionistas, mas propõe apenas 5% de reajuste à categoria

Guilherme Weimann

Propostas da Petrobrás para o ACT: reajuste abaixo da inflação e retirada da AMS

Guilherme Weimann