Assembleias rejeitam modelo de testes de covid-19 na Replan

Sindipetro Unificado-SP irá negociar com empresa e cresce risco de greve

Trabalhadores participam de assembleia em Paulínia (Foto: Itamar Sanches)


O atual modelo de testagem do novo coronavírus imposto exclusivamente pela Refinaria de Paulínia (Replan) foi rejeitado por 78,79% dos trabalhadores em assembleias realizadas entre os dias 13 e 19 de outubro.

Com esse resultado, o Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Sindipetro Unificado-SP) volta à mesa de negociação com a Petrobrás, enquanto cresce a insatisfação entre os trabalhadores e o risco de greve.

Desde junho, a Replan faz com que os petroleiros se desloquem até o local de trabalho durante o período de descanso, com veículos particulares, para que se submetam a uma testagem no sistema drive thru, até dois dias antes de um novo turno. Sem a aprovação nos exames, os trabalhadores não são autorizados a ingressar na refinaria.

Após a pressão do Unificado, a empresa implementou uma nova proposta em que os testes ocorrem a cada 15 dias, porém, na parte da manhã da data de retorno da folga de cada trabalhador, nos casos em que a jornada começa à 19h30.

Leia também: Pesquisa da Fiocruz contradiz Petrobrás e indica relação entre coronavírus e trabalho

A nova medida imposta pela gestão continuou a desagradar a categoria que rejeitou esta opção por manter o prejuízo à folga dos trabalhadores, explica o diretor do sindicato, Jorge Nascimento.

“Não bastasse ter de abrir mão de parte do descanso, o petroleiro ainda é obrigado a pagar custos como pedágio e gasolina do próprio bolso. E cientificamente isso não seria necessário, porque, como o teste tem janela de sete dias e a folga é bem menor do que isso, então, poderiam muito bem fazer no último dia de trabalho”, aponta.

O método adotado na Replan é único em todo o país. Em outras refinarias, como a de Capuava (Recap), em Mauá, os trabalhadores são submetidos a exames dentro da própria unidade, como cobra o Unificado.

Lei também: Saiba o que fazer se contrair a covid-19 trabalhando

Para piorar, o prejuízo pode ser maior em casos de problemas climáticos, como ocorreu recentemente.

“No ciclo 10, os trabalhadores foram fazer testes e, por conta dos temporais e da incidência de raios, o atendimento teve de ser suspenso nas tendas que ficam na porta da empresa e tiveram de voltar no dia seguinte.”

A estimativa é que aproximadamente 450 petroleiros, 46% do efetivo, sigam em atividades presenciais. A maior parte deste percentual é formada pelo pessoal da área operacional.

Posts relacionados

Sindicato cobra que Petrobrás apresente critérios para mudanças de ênfase

Luiz Carvalho

Petrobrás promete adequar vale alimentação para petroleiros em teletrabalho

Guilherme Weimann

Petrobrás descontará horas da greve mesmo com jornada reduzida no teletrabalho

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade