Após regularização dos salários, petroleiros suspendem greve em São Paulo

Trabalhadores votaram pela paralisação do movimento grevista e abertura de negociação com a Petrobrás

Apesar da interrupção momentânea da greve, os petroleiros aprovaram estado de greve – o que significa que o movimento foi suspenso, mas não encerrado – e a realização de assembleias permanentes

Por Guilherme Weimann

Na última sexta-feira (22), terminaram as assembleias organizadas pelo Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP) nas refinarias de Capuava (Recap) e Paulínia (Replan). Por ampla maioria, os trabalhadores aprovaram o indicativo de suspensão da greve para abertura de negociação com a Petrobrás.

A categoria votou pelo recuo temporário, após o compromisso da Petrobrás em normalizar todos os salários até o dia 25 de abril. Anteriormente, a empresa havia suspendido somente os pagamentos dos grevistas, o que se configura como prática antissindical, além de violar o princípio de isonomia previsto na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Leia também: Na Replan, treinamentos sem dedicação exclusiva aumentam riscos de acidentes

“O pagamento integral dos salários até o dia 25 de abril era o pressuposto básico para iniciarmos qualquer tipo de negociação. Caso algum trabalhador não tenha recebido parte dos seus honorários, nós orientamos que ele procure a sua regional do sindicato”, aponta o diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e do Sindipetro-SP, Arthur Bob Ragusa.

Apesar da interrupção momentânea da greve, os petroleiros aprovaram estado de greve – o que significa que o movimento foi suspenso, mas não encerrado – e a realização de assembleias permanentes. “A sinalização em negociar por parte da Petrobrás ocorreu somente depois de muita luta. Por isso, entendemos que é necessário manter a categoria alerta para garantir que as reivindicações da greve sejam de fato acatadas pela empresa”, explica Ragusa.

Pautas

Nos próximos dias, a diretoria do Sindipetro-SP pretende se reunir novamente com a Petrobrás para elaborar um cronograma e uma metodologia para a condução das negociações. “Em um primeiro momento, nós pretendemos levar as pautas que são comuns a todas as nossas bases. A principal delas, sem dúvida nenhuma, é questão do efetivo, ou seja, o descumprimento do número mínimo de trabalhadores para operarem as unidades”, pontua Ragusa.

Na Recap, trabalhadores cobram assinatura da minuta da FUP para a tabela de 12 horas

Também estão incluídos a apuração de erros nas homologações; a extinção do Saldo AF – que é uma espécie de cálculo para registro de frequência; critérios objetivos e transparentes para mudança de “ênfase” e transferências; o fim das terceirizações em tarefas inerentes aos cargos de trabalhadores próprios; um plano emergencial para conter a escalada de acidentes.

Além disso, na Recap, os trabalhadores cobram a assinatura da minuta da FUP para a tabela de 12 horas já aprovada em assembleia pelos trabalhadores da unidade.

Posts relacionados

Operações envolvendo informações privilegiadas da Petrobrás continuam sem respostas

Guilherme Weimann

Petroleiros do Norte Fluminense iniciam greve a partir da zero hora desta terça, dia 4

Mari Miloch

Ações do Supremo para ampliar terceirização não podem ser esquecidas

Luiz Carvalho