Após pressão do Unificado, Petrobrás adia manutenção em Três Lagoas (MS)

Em plena pandemia, empresa queria realizar procedimento que traria trabalhadores de outros estados

Foto: Geraldo Falcão – Agência Petrobrás

O Sindipetro-SP (Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo) pressionou e a Petrobrás resolveu adiar para setembro uma parada de manutenção inicialmente programada para o dia 1º de agosto na UTE (Usina Termelétrica) Luís Carlos Prestes, em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul.

A medida é realizada para aumentar a vida útil das máquinas, mas, para isso, além da gerência convocar 50% do efetivo de manutenção de volta ao trabalho, ao menos 50 trabalhadores de outros estados teriam de se deslocar para participar das ações.

Todo o procedimento deveria durar, inicialmente, até 28 de outubro, porém, o prazo pode ser estendido.

A alteração da data de início do procedimento ocorreu após o sindicato registrar uma reclamação em ata da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) da empresa e apontar a gravidade da medida.

Conforme apontou reportagem do Unificado, no dia 10 de julho, o Ministério Público Estadual, o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Trabalho divulgaram nota que aponta a preocupação como o crescimento de casos de covid-19 em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul.

A cidade que até dia 1.º de junho havia registrado 147 casos de coronavírus, viu a situação se agravar. Entre o início do mês passado e o dia 10 de julho, foram 238 contaminações.

O cenário, porém, pode ser bem pior, já que os testes de RT-PCR, que detecta a presença do vírus, e que são enviados ao Laboratório de Campo Grande, tiveram o período de divulgação do resultado ampliado de 48 horas para 7 dias. Em 10 de julho, 242 exames ainda estavam sem resposta.

Ainda segundo os órgãos, não foi implementada a testagem periódica dos profissionais de saúde, há escassez de anestésicos para manter os doentes entubados na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital municipal e a taxa de ocupação de leitos cresce semanalmente.

O cenário alarmante segue uma tendência da região Centro-Oeste, novo epicentro da pandemia. Em Mato Grosso do Sul, a média diária de mortes, que era inferior a um, cresceu para seis e registrou 167 mortes por conta do covid-19.

Segundo o técnico de operação da UTE e diretor de base do Unificado Alberico Santos Filho, a Petrobrás demonstra um receio com o aspecto legal que poderia afetar a companhia, mas mantém uma postura de intransigência na relação com o sindicato.

“Levamos o questionamento, mas a empresa não responde o sindicato. Como eu pedi que registrasse em ata, eles resolveram atuar com medo das consequências porque, com certeza que iria parar no Ministério Púbico do Trabalho”, apontou.

Posts relacionados

Petrobrás arrenda fábricas de fertilizantes por menos de 1% da expectativa de receita

Guilherme Weimann

Assembleias dão início à resposta dos petroleiros para pauta da Petrobrás

Luiz Carvalho

Petrobrás rifa três plataformas por 0,1% do preço

Guilherme Weimann