8 mitos que você já ouviu sobre a Petrobrás

Empresa endividada, responsável por um monopólio e que produz pouco: será que isso é verdade?  

Oito mitos que derrubamos para mostrar que a Petrobrás é fundamental ao país (Foto: O Petróleo)

Segunda maior companhia do Brasil em faturamento e 50ª do mundo, a Petrobrás completou 67 anos no último dia 3 de outubro.

Para celebrar, vamos derrubar aqui alguns mitos que você já deve ter ouvido.

A Petrobrás está quebrada

Números mostram que Petrobrás está financeiramente saudável (Foto: Agência Brasil)

Não é verdade. Entre 2012 e 2017, a geração de caixa se manteve estável entre US$ 25 e US$ 27 bilhões por ano. Também neste período, a empresa seguiu com enormes reservas em caixa, entre US$ 13,5 e US$ 25 bilhões, superiores às de muitas multinacionais estrangeiras. A capacidade de honrar compromissos de curto prazo também foi evidenciada pelo índice de liquidez corrente superior a 1,5.

Temos de diminuir a dívida adquirida pela Petrobrás

Privatizações não são forma de encontrar equilíbrio (Foto: Fotos Públicas)

Entre o final de 2014 e o final de 2018, a Petrobrás reduziu sua dívida líquida de US$ 115,4 para US$ 69,4 bilhões. No mesmo período, a companhia vendeu ativos no valor de US$ 18,72 bilhões. Deste total, os valores efetivamente recebidos em caixa totalizaram US$ 11,81 bilhões.

As privatizações tiveram influência pouco relevante na redução do endividamento líquido da companhia, limitaram-se a 25,65% da redução da dívida líquida, entre o final de 2014 e o final de 2018. Três quartos (74,35%) da redução da dívida teve origem na geração operacional de caixa da Petrobrás.

O petróleo será substituído por outras fontes de energia

Bolsonaro freou o investimento em energias renováveis (Foto: Agência Petrobrás)

Durante os governos que antecederam o de Jair Bolsonaro (sem partido), a Petrobrás investiu fortemente em energias renováveis. Porém, neste momento, o controle das reservas e da produção do petróleo é fundamental para o desenvolvimento e a segurança econômica, energética e militar das nações.

Além disso, no mercado interno, o petróleo e o gás natural são as duas principais fontes de energia, respondendo por mais de 50% de toda a matriz energética do país.

A expectativa de crescimento de 41% na demanda energética agregada fará com que a demanda de petróleo no país seja maior em duas décadas que a demanda atual e o petróleo deve valer mais em 2030 do que vale em 2020.

Precisamos ter mais concorrência

Não há monopólio no setor de petróleo (Foto: Divulgação Petrobrás)

Desde a promulgação da lei nº 9.478, de 6 de agosto 1997, não existe monopólio de pesquisa e lavras de jazidas de petróleo, gás natural ou outro hidrocarboneto. Nem de refino de petróleo nacional ou estrangeiro; nem para importação de produtos e derivados, como combustíveis. Nem sobre transporte marítimo ou por dutos de petróleo, gás e derivados.

Porém, as empresas privadas, visando retorno mais rápido, investem em sua maioria na compra de poços de petróleo ou de estruturas já prontas e comprovadamente rentáveis. Não há, portanto, investimento por parte dessas empresas para criar novas fábricas para fazerem concorrência interna, o que poderia gerar empregos e movimentar economia.

Falta mão-de-obra especializada para tornar a Petrobrás competitiva

Pré-sal demonstrou que Petrobrás domina tecnologia de ponta, incluindo os trabalhadores (Foto: Agência Petrobrás)

No pré-sal, o custo de extração atingiu um patamar em torno de US$ 8 por barril, quando a média das grandes petrolíferas mundiais é de US$ 15 por barril. Quando consideramos as demais fontes de extração, o custo médio nacional de extração permanece abaixo do valor internacional.

Isso se deu porque os governos anteriores ao de Jair Bolsonaro investiram em pesquisa e tecnologia, inclusive, em relação à formação dos trabalhadores petroleiros.

Leia também: Oito motivos para ser contra a privatização da Petrobrás

A Petrobrás dá mais prejuízo do que lucro

Companhia sempre foi fundamental para equilibrar o PIB (Foto: Fotos Públicas)

A Petrobras é fundamental para o desenvolvimento econômico do Brasil. Quando a empresa cresce, traz consigo também setores como indústria civil, indústria naval, indústria ferroviária, siderúrgica, metalúrgica, setores de serviços e muitas outras atividades, empregando e qualificando milhares de trabalhadores, elevando a qualidade de vida e poder de compra das pessoas, que irão movimentar o mercado, favorecendo a economia do país.

Exemplo disso é que nos períodos anteriores ao do governo Bolsonaro, quando a Petrobrás investia, o Brasil teve maiores superávit primário e a relação dívida/PIB não passou de 60%.

A Petrobrás é um problema para o país

Problema é entregar a Petrobrás (Foto: Divulgação Petrobrás)

As privatizações ameaçam a segurança energética do país, criam monopólios privados estrangeiros e agravam a desnacionalização da economia. Os monopólios criados concentram o poder econômico e prejudicam o consumidor.

A privatização pode trazer retrocessos tecnológicos e também prejuízos para a engenharia e a indústria brasileira gerando desemprego e desequilíbrios na balança comercial.

Privatizar a Petrobrás significa entregar os campos de petróleo, o que pode levar a produção predatória, com esgotamento precoce das jazidas, com altos riscos de acidentes e prejuízos ambientais. E o Brasil perderá o controle sobre a produção de importante recurso, não renovável e estratégico.

A Petrobrás não produz como deveria porque está no vermelho

Governo Bolsonaro pisou no freio dos investimentos (Foto: Ichiro Guerra)

Como já dito, a companhia opera com saúde financeira. Porém, como caminho para justificar a privatização, o governo pisou o pé no freio e, entre 2014 e 2019, os investimentos caíram de R$ 82 bilhões para R$ 38 bilhões na área de exploração e produção. A Petrobrás atrasou a entrada em operação de mais de seis plataformas, o que acarretou na perda de produção de mais um milhão de barris por dia.

Posts relacionados

Sindicato cobra que Petrobrás apresente critérios para mudanças de ênfase

Luiz Carvalho

Petrobrás promete adequar vale alimentação para petroleiros em teletrabalho

Guilherme Weimann

Petrobrás descontará horas da greve mesmo com jornada reduzida no teletrabalho

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade