16 dicas do que ler e assistir no fim de ano

Em retrospectiva, o Unificado-SP traz todas as indicações citadas por convidados do SindiPapo ao longo de 2020

Procurando continuar em contato com a categoria petroleira, mesmo diante da pandemia de covid-19, o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo promoveu ao longo deste ano o SindiPapo, série de lives que busca trazer diálogos e reflexões sobre assuntos diversos.

Mediadas pelos jornalistas Luiz Carvalho e Guilherme Weimann, no total foram ao ar 23 edições do SindiPapo, que por conta da repercussão e popularidade que o programa foi tomando, contou com a participação de nomes como Dilma Rousseff, Chico Malfitani, Nasi, entre outros.

Ao final de cada edição, os participantes deixaram dicas culturais, de livros, filmes, músicas ou séries e nós reunimos 16 delas. Confira:

1.  1984

Clássico da literatura mundial,  o livro – traz uma história que se passa em um futuro distópico em que a população é controlada por maquinários e está sendo constantemente vigiada – é indicado pelo petroleiro Alexandre Finamori na live Democracia e os quatro poderes, quem comanda o Brasil?.

“É um livro bem atual e de leitura bem leve”, explicou o petroleiro. A obra está disponível em diversos sites de vendas e pode ser adquirido em versão impressa ou digital.

2. A guerra contra o Brasil

Chico Malfitani, jornalista e um dos fundadores da Gaviões da Fiel, torcida organizada do Corinthians, participou da 11ª edição do SindiPapo: Por que defender o antifascismo? e como indicação mencionou obras do escritor e sociólogo Jessé Souza, que abordam temáticas como as desigualdades sociais que permeiam o Brasil.

“É muito bom para entender o que estamos vivendo no nosso país”, comentou Malfitani sobre a obra que está disponível em versão impressa e digital.

3. Antologia Trans: 30 poetas trans, travestis e não binários

Indicado por Samara Sósthenes, coordenadora da Uneafro Brasil, militante do movimento negro, de mulheres e de moradia da causa LGBT+ e uma das integrantes do mandato coletivo do Psol, eleito em São Paulo, participou do SindiPapo Sexo, sexualidade e exploração do trabalho. Ela mencionou o livro de poesias que busca dar visibilidade, de uma forma política, para as produções de artistas pertencentes a esse segmento social. “É meu livro de cabeceira”, explicou.

A publicação está disponível em sites de vendas de livros e é possível ter acesso à uma prévia clicando aqui.

4. Babylon Berlim

A série, que no Brasil está disponível pelo serviço de streaming GloboPlay, retrata o momento de tensão histórica de mudanças políticas e sociais na Alemanha durante os anos de 1920 e foi indicada por José Luis Fiori, professor de economia política e internacional da UFRJ e também pesquisador do Ineep.

“Série que eu achei muito boa e que tem a ascensão do nazismo e movimentos políticos, sem nenhum tipo de herói”, comentou sobre a sua indicação durante a participação no SindiPapo sobre a Pandemia e seu impacto internacional.

5. Cem anos de solidão

Livro de Gabriel Garcia Marquez, a narrativa foi companheira do petroleiro Tadeu Porto na ocupação do prédio do Edise, no Rio de Janeiro durante a greve da categoria que abriu o ano de 2020. A obra está disponível em versão impressa e digitalizada.

“Achei legal que o Garcia Marquez se inspirou no Kafka pra escrever, ficou parecendo um pouco do que eu vivi”, relatou Tadeu em participação no SindiPapo sobre mídia, democracia e democratização dos meios de comunicação.

6. Eles não usam black tie

O filme de Gianfrancesco Guarnieri sobre a ascensão dos movimentos grevistas no Brasil foi recomendado por Larissa Corrêa, professora adjunta do Departamento de História da PUC-Rio, que participou do SindiPapo sobre modelos sindicais e rumo do sindicalismo brasileiro.

“Acho um filme muito bacana, é ainda mais legal se der para ler a peça”, explicou ela. A obra está disponível no Youtube.

7. Quando me descobri negra

Indicação do educador e líder social, Douglas Belchior, durante o SindiPapo sobre racismo eleitoral, o livro de Bianca Santana conta um pouco do processo de descoberta da autora enquanto mulher negra. A obra está disponível em versão física e impressa.

Além de todas as publicações de Bianca, Douglas também recomendou como dicas culturais os trabalhos de escritores como Akin Skinte, Allan da Rosa, Sérgio Vaz e Pedro Borges.

8. Guapiaçu – Um Rio (de Janeiro) ameaçado

Indicação de Gilberto Cervinski, coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens, durante live sobre a privatização da água, o curta-metragem foi produzido pelo próprio MAB.

A produção aborda as consequências que a construção da barragem do rio Guapiaçu poderia provocar aos moradores cariocas e está inteiramente disponível no YouTube.

9. Guerras Híbridas: das revoluções Coloridas aos Golpes

Livro de autoria de Andrew Korybko, foi indicado por João Paulo Rodrigues e Maria Kaze durante live sobre direito à terra, reforma agrária e preço do arroz. A obra está disponível em versão impressa.

“Muito bom para a gente compreender como tem funcionado [as questões de agroecologia], é um livro pequeno que nos dá muita noção de como lidar com a comunicação”, comentou João Paulo Rodrigues, que é dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra.

10. I may destroy you

Série original e disponível nas plataformas da HBO, é a indicação do economista e pesquisador do Ineep, Henrique Jagger em bate-papo sobre a nova gasolina e os impactos na importação de combustível.

Com uma narrativa que aborda a vulnerabilidade feminina, mesmo ao lado de pessoas que são aparentemente de confiança, a série, em uma temporada, abre questionamentos sobre as relações sexuais não consensuais. “Muito interessante porque a série traz um debate sobre o estupro”, explicou o pesquisador.

11. M, O filho do século

Recomendação da ex-presidenta da república do Brasil, Dilma Rousseff, em live especial, a obra de Antonio Scurati conta um pouco da história do fascismo italiano e do ditador Benito Mussolini. O livro está disponível em versão digital e impressa.

“O autor faz uma pesquisa fantástica, faz um mosaico. E é muito interessante porque você entende a subida do fascismo”, analisou a ex-presidenta sobre a obra.

12. Operação Araguaia

Indicado pelo cantor e vocalista do Ira, Nasi, em live especial, o livro de Eumano Silva e Taís Moraes conta com produções fotográficas realizadas pelo bisavô do artista.

A obra está disponível em versão impressa e mostra arquivos exclusivos sobre a Guerrilha do Araguaia, que foi o maior confronto das forças armadas desde a segunda Guerra Mundial.

13. Os 7 de Chicago

Filme indicado por Sheila de Carvalho, advogada internacional de Direitos Humanos que participou do SindiPapo sobre racismo nas ruas e nas urnas, está disponível no Netflix e fala sobre o julgamento de militantes contra a Guerra no Vietnã.

“Traz uma reflexão bem interessante sobre como a mídia vê os protestos e como o nosso sistema de justiça trata aqueles que reivindica seus direitos e são negros”, comentou a advogada.

14. Princesas em greve!

Indicado pelo ex-petroleiro Gilberto Soares em live sobre paternidade ativa, a obra de Thaís Linhares conta a história de princesas que decidem entrar em greve para conquistar o direito de trabalhar, despertando a curiosidade e o senso sobre política nas crianças.

“Minha filha adorou”, afirmou o ex-petroleiro sobre a experiência da filha ao ler o livro que está disponível em versão impressa.

15. The Mentalist

O seriado com 7 temporadas e disponível na plataforma de streaming GloboPlay, também foi indicado como dica cultural pela ex-presidenta Dilma Rousseff. O mistério policial gira em torno das observações de um vidente para solucionar casos graves de crimes.

“Gosto de assistir enquanto ando de bicicleta ergométrica”, explicou a ex-presidenta sobre a narrativa que a cativa e a faz distrair do cansaço do exercício físico.

16. Um defeito de cor

Obra de Ana Maria Gonçalvez, a narrativa foi indicada por Catarina Almeida, professora da Universidade de Brasilia que participou do SindiPapo Para onde vai a educação no Brasil?.

“Acho que retrata muito a nossa realidade”, explicou a professora sobre a obra, disponível em versão impressa, que narra a história de uma idosa de origem africana que viaja ao Brasil em busca de um filho perdido.

 

 

Posts relacionados

Com foco no jornalismo, Sindipetro-SP amplia público próprio e republicações

Guilherme Weimann

Oito filmes para entender a indústria do petróleo

Guilherme Weimann

Investimentos em cultura despencam e Petrobrás justifica com homofobia

Guilherme Weimann