16 dicas do que ler e assistir no fim de ano

Em retrospectiva, o Unificado-SP traz todas as indicações citadas por convidados do SindiPapo ao longo de 2020

Procurando continuar em contato com a categoria petroleira, mesmo diante da pandemia de covid-19, o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo promoveu ao longo deste ano o SindiPapo, série de lives que busca trazer diálogos e reflexões sobre assuntos diversos.

Mediadas pelos jornalistas Luiz Carvalho e Guilherme Weimann, no total foram ao ar 23 edições do SindiPapo, que por conta da repercussão e popularidade que o programa foi tomando, contou com a participação de nomes como Dilma Rousseff, Chico Malfitani, Nasi, entre outros.

Ao final de cada edição, os participantes deixaram dicas culturais, de livros, filmes, músicas ou séries e nós reunimos 16 delas. Confira:

1.  1984

Clássico da literatura mundial,  o livro – traz uma história que se passa em um futuro distópico em que a população é controlada por maquinários e está sendo constantemente vigiada – é indicado pelo petroleiro Alexandre Finamori na live Democracia e os quatro poderes, quem comanda o Brasil?.

“É um livro bem atual e de leitura bem leve”, explicou o petroleiro. A obra está disponível em diversos sites de vendas e pode ser adquirido em versão impressa ou digital.

2. A guerra contra o Brasil

Chico Malfitani, jornalista e um dos fundadores da Gaviões da Fiel, torcida organizada do Corinthians, participou da 11ª edição do SindiPapo: Por que defender o antifascismo? e como indicação mencionou obras do escritor e sociólogo Jessé Souza, que abordam temáticas como as desigualdades sociais que permeiam o Brasil.

“É muito bom para entender o que estamos vivendo no nosso país”, comentou Malfitani sobre a obra que está disponível em versão impressa e digital.

3. Antologia Trans: 30 poetas trans, travestis e não binários

Indicado por Samara Sósthenes, coordenadora da Uneafro Brasil, militante do movimento negro, de mulheres e de moradia da causa LGBT+ e uma das integrantes do mandato coletivo do Psol, eleito em São Paulo, participou do SindiPapo Sexo, sexualidade e exploração do trabalho. Ela mencionou o livro de poesias que busca dar visibilidade, de uma forma política, para as produções de artistas pertencentes a esse segmento social. “É meu livro de cabeceira”, explicou.

A publicação está disponível em sites de vendas de livros e é possível ter acesso à uma prévia clicando aqui.

4. Babylon Berlim

A série, que no Brasil está disponível pelo serviço de streaming GloboPlay, retrata o momento de tensão histórica de mudanças políticas e sociais na Alemanha durante os anos de 1920 e foi indicada por José Luis Fiori, professor de economia política e internacional da UFRJ e também pesquisador do Ineep.

“Série que eu achei muito boa e que tem a ascensão do nazismo e movimentos políticos, sem nenhum tipo de herói”, comentou sobre a sua indicação durante a participação no SindiPapo sobre a Pandemia e seu impacto internacional.

5. Cem anos de solidão

Livro de Gabriel Garcia Marquez, a narrativa foi companheira do petroleiro Tadeu Porto na ocupação do prédio do Edise, no Rio de Janeiro durante a greve da categoria que abriu o ano de 2020. A obra está disponível em versão impressa e digitalizada.

“Achei legal que o Garcia Marquez se inspirou no Kafka pra escrever, ficou parecendo um pouco do que eu vivi”, relatou Tadeu em participação no SindiPapo sobre mídia, democracia e democratização dos meios de comunicação.

6. Eles não usam black tie

O filme de Gianfrancesco Guarnieri sobre a ascensão dos movimentos grevistas no Brasil foi recomendado por Larissa Corrêa, professora adjunta do Departamento de História da PUC-Rio, que participou do SindiPapo sobre modelos sindicais e rumo do sindicalismo brasileiro.

“Acho um filme muito bacana, é ainda mais legal se der para ler a peça”, explicou ela. A obra está disponível no Youtube.

7. Quando me descobri negra

Indicação do educador e líder social, Douglas Belchior, durante o SindiPapo sobre racismo eleitoral, o livro de Bianca Santana conta um pouco do processo de descoberta da autora enquanto mulher negra. A obra está disponível em versão física e impressa.

Além de todas as publicações de Bianca, Douglas também recomendou como dicas culturais os trabalhos de escritores como Akin Skinte, Allan da Rosa, Sérgio Vaz e Pedro Borges.

8. Guapiaçu – Um Rio (de Janeiro) ameaçado

Indicação de Gilberto Cervinski, coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens, durante live sobre a privatização da água, o curta-metragem foi produzido pelo próprio MAB.

A produção aborda as consequências que a construção da barragem do rio Guapiaçu poderia provocar aos moradores cariocas e está inteiramente disponível no YouTube.

9. Guerras Híbridas: das revoluções Coloridas aos Golpes

Livro de autoria de Andrew Korybko, foi indicado por João Paulo Rodrigues e Maria Kaze durante live sobre direito à terra, reforma agrária e preço do arroz. A obra está disponível em versão impressa.

“Muito bom para a gente compreender como tem funcionado [as questões de agroecologia], é um livro pequeno que nos dá muita noção de como lidar com a comunicação”, comentou João Paulo Rodrigues, que é dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra.

10. I may destroy you

Série original e disponível nas plataformas da HBO, é a indicação do economista e pesquisador do Ineep, Henrique Jagger em bate-papo sobre a nova gasolina e os impactos na importação de combustível.

Com uma narrativa que aborda a vulnerabilidade feminina, mesmo ao lado de pessoas que são aparentemente de confiança, a série, em uma temporada, abre questionamentos sobre as relações sexuais não consensuais. “Muito interessante porque a série traz um debate sobre o estupro”, explicou o pesquisador.

11. M, O filho do século

Recomendação da ex-presidenta da república do Brasil, Dilma Rousseff, em live especial, a obra de Antonio Scurati conta um pouco da história do fascismo italiano e do ditador Benito Mussolini. O livro está disponível em versão digital e impressa.

“O autor faz uma pesquisa fantástica, faz um mosaico. E é muito interessante porque você entende a subida do fascismo”, analisou a ex-presidenta sobre a obra.

12. Operação Araguaia

Indicado pelo cantor e vocalista do Ira, Nasi, em live especial, o livro de Eumano Silva e Taís Moraes conta com produções fotográficas realizadas pelo bisavô do artista.

A obra está disponível em versão impressa e mostra arquivos exclusivos sobre a Guerrilha do Araguaia, que foi o maior confronto das forças armadas desde a segunda Guerra Mundial.

13. Os 7 de Chicago

Filme indicado por Sheila de Carvalho, advogada internacional de Direitos Humanos que participou do SindiPapo sobre racismo nas ruas e nas urnas, está disponível no Netflix e fala sobre o julgamento de militantes contra a Guerra no Vietnã.

“Traz uma reflexão bem interessante sobre como a mídia vê os protestos e como o nosso sistema de justiça trata aqueles que reivindica seus direitos e são negros”, comentou a advogada.

14. Princesas em greve!

Indicado pelo ex-petroleiro Gilberto Soares em live sobre paternidade ativa, a obra de Thaís Linhares conta a história de princesas que decidem entrar em greve para conquistar o direito de trabalhar, despertando a curiosidade e o senso sobre política nas crianças.

“Minha filha adorou”, afirmou o ex-petroleiro sobre a experiência da filha ao ler o livro que está disponível em versão impressa.

15. The Mentalist

O seriado com 7 temporadas e disponível na plataforma de streaming GloboPlay, também foi indicado como dica cultural pela ex-presidenta Dilma Rousseff. O mistério policial gira em torno das observações de um vidente para solucionar casos graves de crimes.

“Gosto de assistir enquanto ando de bicicleta ergométrica”, explicou a ex-presidenta sobre a narrativa que a cativa e a faz distrair do cansaço do exercício físico.

16. Um defeito de cor

Obra de Ana Maria Gonçalvez, a narrativa foi indicada por Catarina Almeida, professora da Universidade de Brasilia que participou do SindiPapo Para onde vai a educação no Brasil?.

“Acho que retrata muito a nossa realidade”, explicou a professora sobre a obra, disponível em versão impressa, que narra a história de uma idosa de origem africana que viaja ao Brasil em busca de um filho perdido.

 

 

Posts relacionados

Com foco no jornalismo, Sindipetro-SP amplia público próprio e republicações

Guilherme Weimann

Oito filmes para entender a indústria do petróleo

Guilherme Weimann

Investimentos em cultura despencam e Petrobrás justifica com homofobia

Guilherme Weimann

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Clique aceitar se você está de acordo ou pode cancelar, se desejar. Aceito Ler Mais

Política de Privacidade