Frente Petroleira LGBT completa um ano de resistência

Organização reúne trabalhadores e trabalhadoras da Petrobrás e de empresas terceirizadas, espalhados por diversos estados do país

Frente Petroleira LGBT reúne trabalhadores organizados nas duas federações da categoria (Foto: Guilherme Gandolfi)

Por Guilherme Weimann

Nesta sexta-feira (29), a Frente Petroleira LGBT completa seu primeiro aniversário. O dia 29 de maio do ano passado marcou a decisão de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros de pautar a questão de gênero e sexualidade dentro dos sindicatos e das empresas petroleiras.

A ideia de criação do grupo surgiu durante a 8ª Plenária Nacional da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que ocorreu em Belo Horizonte (MG), em maio do ano passado. Desse encontro nasceu o embrião do grupo, a partir das evidências em relação à urgência de fortalecer a auto-organização e encaminhar as reivindicações LGBT dentro do mercado de trabalho petroleiro.

Apesar da origem se remeter a uma plenária da FUP, a Frente Petroleira LGBT conseguiu congregar sindicalistas e petroleiros organizados nas duas federações da categoria, incluindo a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

“O primeiro evento que a gente participou foi na sede do Sindipetro do Rio de Janeiro, da FNP, o que mostra o entusiasmo do pessoal de lá com o tema. Nós temos demandas em comum, ou seja, de lutar por um ambiente sindical e de trabalho mais acolhedor”, afirma Tiago Franco, diretor do Sindipetro Unificado dos Trabalhadores do Estado de São Paulo (Sindipetro Unificado – SP) e coordenador da Frente LGBT.

O Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro RJ), ligado à FNP, foi pioneiro na disposição em trabalhar a questão da sexualidade. Em 2018, o sindicato criou o Grupo de Trabalho de Diversidade e Combate às Opressões, que também se tornou um dos impulsionadores da Frente Petroleira LGBT.

Histórias de persistência

Atualmente, o coletivo reúne aproximadamente 50 trabalhadores, entre próprios e terceirizados da Petrobrás, de diversos estados do país. Um deles é Day Oliveira, técnico químico do petróleo no setor de Exploração e Produção da Bacia de Santos.

“Sou transgênero e acredito que um grupo como o nosso é capaz de trazer visibilidade e união entre os LGBTQIAP+ dentro da empresa. A Petrobrás ainda carece de muita informação e de políticas de inclusão, principalmente no que se refere à esta minoria. Na prática, esse assunto não é muito discutido, ainda é um tabu, principalmente em se tratando de pessoas trans”, aponta Day, que já soma 18 anos na Petrobrás.

“Nós temos demandas em comum, lutamos por ambiente sindical e de trabalho mais acolhedor”, afirma Tiago Franco (Foto: Guilherme Weimann)

Em 2018, a estatal passou a aceitar o uso do nome social, o que foi uma vitória para os trabalhadores LGBTs. Entretanto, uma das pautas da Frente é a elaboração de um protocolo mais simples e condensado para servir às pessoas que queiram fazer a transição de gênero.

“Uma ex-colega nossa, quando foi fazer a transição de gênero, pediu as contas da Petrobrás. Porque ela não teve apoio, informação e não viu ambiente para voltar e ser reconhecida como uma mulher”, recorda Tiago.

Reivindicações

O dirigente também chama a atenção para os reflexos da atual gestão da empresa sobre os trabalhadores LGBTs, especialmente pelo cenário de escassez de novos concursos na companhia. “Historicamente, com todo esse ambiente LGBTfóbico, e principalmente transfóbico, você tem um acesso ao mercado de trabalho muito dificultado. Então, quando você tira a subjetividade do avaliador, que tem grande possibilidade de ser transfóbico, você diminui a injustiça. O mesmo serve para a primeirização dos serviços. Infelizmente, o cenário atual se mostra contrário a tudo isso”, explica Tiago.

A falta de perspectiva de concursos também pode afetar as mulheres petroleiras. Atualmente, o quadro de funcionários da Petrobrás é composto por 83% de homens e apenas 17% de mulheres. A porcentagem é baixa se comparada a outras categorias, mas é um avanço histórico dentro da Petrobrás.

Mesmo diante dessa realidade adversa, a Frente Petroleira LGBT surge como uma resposta de resistência e esperança dentro da categoria. Essa é a opinião de Nicole Simone Flesch Doberstein, petroleira há 16 anos e atualmente técnica química na Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), localizada no município de Canoas (RS).

“O grupo veio como uma forma de fortalecer e integrar petroleiras e petroleiros engajados nas lutas no país inteiro. Mas vale ressaltar que não é um grupo de importância apenas para LGBTIs, e sim para todas e todos aqueles que querem um mundo mais igualitário, que lutam pelas causas de direitos humanos, igualdade e respeito racial, de gênero, de classe social, causas ambientais, diversidade de crenças e além, é claro, das causas dos LGBTIs”, celebra Nicole.

Frente LGBT realizou debate na regional SP do Sindipetro Unificado (Foto: Divulgação)

Com esse espírito, Tiago indica que a Frente pretende, logo que melhorar a situação provocada pela pandemia do novo coronavírus, pautar a criação de um comitê de diversidade, para servir como uma referência, e de um Censo LGBT dentro da categoria.

Durante esse ano, a Frente já realizou debate na regional de São Paulo do Sindipetro Unificado; organizou atividade de formação na Estação Cultural de Campinas (SP), em parceria com o coletivo Vida Nova; e deu apoio a trabalhador em denúncia na ouvidoria da Petrobrás em caso de demissão por homofobia na Bacia de Campos.

O trabalho da Frente Petroleira LGBT pode ser acompanhado pelas páginas do Instagram e Facebook.

Posts relacionados

Treinamento de trânsito com falas machistas é aplicado em unidades da Petrobrás

Andreza de Oliveira

Petrobrás divulga fake news sobre tabelas de turno para seus trabalhadores

Guilherme Weimann

Caravana unificada tem saldo positivo contra terceirizações em São Paulo

Andreza de Oliveira