Em Paulínia, Sindipetro realiza terceira rodada de distribuição de gás subsidiado

Na manhã deste sábado (15), petroleiros distribuíram 100 botijões a preço justo em município do interior de São Paulo

Cada família teve direito de comprar um botijão pelo preço de R$ 40 (Foto: Itamar Sanches/Sindipetro-SP)

Por Guilherme Weimann

Mesmo vivendo ao lado da maior refinaria do país, responsável por cerca de 20% do refino do Sistema Petrobrás, moradores do município de Paulínia, no interior de São Paulo, pagam em média R$ 70 pelo gás de cozinha. Justamente para dialogar com a população sobre os motivos desses altos preços, o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP) subsidiou a venda de 100 botijões.

A atividade ocorreu logo no início da manhã deste sábado (15), no Jardim Primavera, e contou com a participação massiva da população. Cada família teve direito a uma senha para comprar um botijão pelo preço de R$ 40. Este é um valor que os petroleiros defendem ser justo, sem comprometer às finanças da empresa.

De acordo com Silvio Marques, da Associação Beneficente Cultural dos Petroleiros (ABCP), o objetivo da iniciativa foi mostrar à população de quem é a culpa pelos altos preços dos combustíveis. “O preço da gasolina, do óleo diesel e da gasolina estão muito altos. Por isso, ela está muito receptiva ao diálogo, mas ela não sabe o porquê. E essa ação mostra justamente que os preços estão altos por uma escolha da gestão da empresa”, explica Marques.

Ações semelhantes estão ocorrendo em todo o país (Foto: Itamar Sanches/Sindipetro-SP)

O Sindipetro-SP já havia subsidiado 200 botijões de gás em Campinas, na Vila Boa Vista, e em Cosmópolis, no cruzamento entre a Avenida do Trabalhador e a Avenida da Saudade. Também foram realizadas distribuição de gás a preços populares em outros estados, por meio dos sindicatos filiados à Federação Única dos Petroleiros.

Política de preços penaliza o bolso da população

Nos últimos anos, a Petrobrás modificou sua política de preços em relação aos produtos derivados do petróleo, como gasolina, diesel e gás de cozinha. Atualmente, os preços desses produtos estabelecidos variam conforme o mercado internacional e o câmbio do dólar, que chegou a R$ 4,35 nesta quarta-feira (12).

Além disso, as refinarias estão subutilizadas. Em 2019, elas operaram com aproximadamente 70% da sua capacidade. De acordo com a Petrobrás, isso está ocorrendo porque é mais rentável para a empresa vender óleo cru no mercado internacional e importar seus derivados. Entretanto, quem acaba pagando a conta é a população brasileira.

 

Posts relacionados

Por falta de patrocínio, atleta paralímpico vira entregador de aplicativo em Paulínia

Andreza de Oliveira

FUP tem sede invadida uma semana após sindicato de Paulínia (SP)

Andreza de Oliveira

Petrobrás desrespeita intervalo de descanso de 11 horas entre jornadas na Replan

Guilherme Weimann